Juros fecham em forte alta com pessimismo sobre Previdência e Treasuries – Jornal do Comércio

Os juros futuros encerraram a quarta-feira (29) em alta e nas máximas, refletindo a piora da percepção de risco sobre a reforma da Previdência, sobretudo os contratos de longo prazo. Também contribuiu para esse movimento o comportamento dos Treasuries, cujos rendimentos nesta quarta igualmente avançaram de maneira firme.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 7,13%, de 7,08% no ajuste de terça, e a do DI para janeiro de 2020 avançou de 8,30% para 8,41%. A taxa do DI para janeiro de 2021 encerrou em 9,33%, de 9,19%, e a do DI para janeiro de 2023 em 10,19%, de 10,04%. Todos estes contratos fecharam nas máximas.

O sentimento do mercado sobre o andamento da reforma piorou muito no período da tarde, em meio a declarações de membros da base aliada e outros políticos em Brasília que sinalizaram, na avaliação dos profissionais, que o governo está muito longe de um consenso para aprovar o texto ainda este ano. Faltando poucos minutos para o encerramento da sessão regular, o dólar e os juros ampliaram a alta e renovaram máximas, com ajuda das declarações do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Ele afirmou que o pedido do senador Aécio Neves (PSDB-MG) por fechamento de questão sobre Previdência é “inoportuno”, pois a linguagem do partido é de “convencimento” e “troca”. Afirmou ainda que não existe nenhum partido da base do governo que tenha unanimidade sobre reforma

Mais cedo, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, havia dito que a reforma da Previdência, mais enxuta, já está “no osso” e não tem mais espaço para novas concessões, enquanto o relator da PEC da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), admitiu que ainda não há votos suficientes para aprovar hoje a reforma. “Não tem votos para aprovar hoje, ainda não. Temos que fazer um exercício político grande para aprovar”, afirmou.

Com a sessão regular já encerrada, na tarde desta quarta, o líder do PP na Câmara dos Deputados, Arthur Lira (AL), disse que o PP só fecha questão para Previdência “se tiver uma maioria esmagadora, que não tem hoje”. “Não sei de onde tiraram essa história de que Previdência será votada dia 6/12”, disse.

Além das incertezas sobre a Previdência, o câmbio é afetado ainda pela volatilidade em torno do fechamento da Ptax do mês, na quinta-feira, 30, que vai balizar a liquidação de contratos futuros. Às 16h27, o dólar à vista batia máxima de R$ 3,2478 (+1,08%).

No exterior, o rendimento da T-Note de dez anos se aproximava de 2,40%, marcando 2,384%. O movimento é atribuído aos dados do PIB do terceiro trimestre indicando crescimento firme da economia dos EUA e à expectativa de aprovação da proposta de reforma tributária no Senado.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!