Mercado mantém pessimismo com Previdência e Ibovespa fecha em queda de 1% – Jornal do Comércio

A desesperança dos investidores de ver a reforma da Previdência aprovada neste ano provocou uma nova rodada de ordens de venda na Bolsa brasileira neste último dia de novembro O Índice Bovespa já iniciou o dia em terreno negativo, ignorou as altas das bolsas de Nova York e fechou nesta quinta-feira, 30, com queda de 1,00%, aos 71.970,99 pontos. Com esse resultado, o índice encerrou novembro com uma queda acumulada de 3,15%.

Assim como tem acontecido nos últimos dias, os investidores estrangeiros foram os principais vendedores de ações no pregão, informaram operadores de renda variável. Até o último dia 28, o saldo líquido dos investimentos de estrangeiros na bolsa em novembro era negativo em R$ 2,393 bilhões. No ano, o fluxo de capital externo está positivo em R$ 10,555 bilhões.

Com poucos eventos na agenda, o declaratório político em torno da reforma da Previdência voltou a dar o tom dos negócios. Hoje foi a vez do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reforçar o pessimismo do mercado. Em reunião com investidores em São Paulo, Maia fez um discurso desanimador quanto às chances de aprovação da reforma. Depois, disse a jornalistas que a data da votação ainda não foi marcada porque não há votos.

“A queda de hoje foi uma nova correção, uma realização de lucros acumulados, num sinal de desconfiança do investidor. E o mercado tende a ficar cada vez mais cauteloso nesse clima de incerteza com a Previdência”, disse Raphael Figueredo, analista da Eleven Financial, que compara o atual cenário da bolsa com o período pré-impeachment da presidente Dilma Rousseff, quando o mercado também refletia forte incerteza.

Entre as ações que compõem o Ibovespa, as quedas mais significativas ficaram novamente com os bancos, com peso superior a 25% da carteira. Além de serem papéis líquidos, outra explicação para a queda insistente dessas ações é que elas acumulam “gordura” significativa no ano, o que favorece a realização de lucros. Itaú Unibanco PN caiu 1,46%, mas acumula ainda ganho de 25,45% em 2017. Bradesco ON recuou 1,04% no dia, com alta de 15,90% no ano.

As ações da Petrobras enfrentaram volatilidade ao longo do pregão, seguindo influências internas e a instabilidade dos preços do petróleo no mercado internacional. Ao final dos negócios, os papéis subiram 0,25% (ON) e 0,33% (PN).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!