Natal deve movimentar R$ 405 milhões em Porto Alegre – Jornal do Comércio

A tradicional pesquisa de Natal, realizada em parceria da CDL POA com o Sindilojas Porto Alegre, aponta que a data deve movimentar em torno de R$ 405,32 milhões em 2017, com tíquete médio por presente de R$ 91,57 e gasto médio por pessoa de R$ 439,98. A variação ficou em torno de 6% nominal com relação ao ano passado. Descontando a inflação esperada para o final do ano (3,09%), a expectativa é de variação real de 2,82% nas vendas.

Do total de consultados, 74% afirmaram que irão presentear alguém neste Natal. A média de agraciados por cada consumidor entrevistado será de quatro pessoas, com um presente para cada. Os filhos estão em primeiro na lista (57,20%), seguido dos pais (42,40%), da companheira ou companheiro (35,10%) e dos netos (25%).

Assim como no ano passado, as roupas lideram o ranking, com 61,9% da preferência pelo presente a ser adquirido. Depois, aparecem os brinquedos (46,4%), os artigos de perfumaria/cosméticos (22,7%), calçados (17,3%) e acessórios (13,6%).

A forma de pagamento que deverá predominar será “à vista em dinheiro” (53,8%), mas 24,8% pretendem usar o cartão de crédito parcelado, e 13,9%, o cartão de débito à vista. A maioria das compras deverá se efetivar na semana do Natal (opção de 32,3%). Até lá, as pesquisas de preços ocorrerão, na sua maioria, em lojas físicas (63,3%). E 29,8% pretendem fazer uma busca pela internet – curiosamente, um número menor do que o apresentado na pesquisa de 2016 (46%).

 

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) identificou que três em cada 10 consumidores que têm intenção de presentear neste ano possuem contas em atraso atualmente (34%), e 32% estão com o nome sujo no momento (queda de 6,9 p.p. em relação ao ano passado).

O levantamento mostra que 16% costumam gastar mais do que podem nas compras do Natal; 7% pretendem deixar de pagar alguma conta para poder comprar presentes; 5%, para conseguir participar das comemorações de Natal; e 6%, das comemorações de Ano-Novo.

O educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, alerta para o que pode ser um aliado na hora das compras, mas também um grande impulsionador do descontrole financeiro: o parcelamento. Cerca de 52% costumam dividir as compras de Natal em várias prestações, principalmente para que possam comprar todos os presentes (22%).

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, ressalta a importância de resistir aos excessos de consumo e, ao mesmo tempo, ficar atento ao parcelamento: “Dividir as compras pode ser uma boa alternativa, desde que sejam respeitados os limites do orçamento doméstico. De nada adianta parcelar se a prestação vai comprometer o pagamento de outras despesas importantes no dia a dia”.

Segundo a pesquisa, 18% dos que vão presentear neste ano ficaram com o nome sujo por causa das dívidas pendentes com as compras de fim de ano de 2016, sendo que 11% ainda estão negativados e 6% já limparam o nome.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!