Campo de mero representa 1/4 da área original de Libra – Jornal do Comércio

A Petrobras conta com a contratação até o fim do ano da primeira plataforma que será instalada no campo de Mero, no pré-sal da Bacia de Santos. Além dessa, é projetada a instalação de mais três unidades. A segunda concorrência será lançada no primeiro trimestre do ano que vem. Mero corresponde a um quarto da área total de Libra, superprojeto que a estatal opera ao lado da Shell, Total, CNPC e CNOOC. A PPSA participa como representante dos interesses da União e gestora.

O histórico da licitação da primeira plataforma de Libra é marcado por controversas, principalmente, com a indústria naval brasileira, que levou à Justiça a iniciativa da Petrobras de abrir a concorrência para fornecedores internacionais. A estatal alega que, se contratar no Brasil e respeitar os porcentuais de conteúdo local previstos no contrato de partilha firmado com a União, o preço da plataforma será 58% maior do que se a concorrência incluir possíveis produtores de bens e prestadores de serviços estrangeiros.

O plano de negócios da Petrobras prevê que essa plataforma, com capacidade para produzir 180 mil barris por dia, começará a operar em 2020. A data está mantida até que o contrato de construção da primeira embarcação seja assinado, disse o gerente-executivo de Libra, Fernando Borges. Executivos das sócias da estatal já afirmaram, no entanto, que a expectativa é de que a produção em grande escala aconteça de fato a partir de 2021.

Em fase de teste desde o último domingo, Mero produz hoje 17,5 mil barris por dia (bpd) e deve chegar a 40 mil bpd no prazo de 50 a 60 dias, quando deve ser iniciado a injeção de gás natural e, com isso, deve crescer o fator de recuperação do reservatório. Por enquanto, o projeto está com “o pé no freio”, segundo o executivo da Petrobras. A primeira carga é esperada para o começo de janeiro. E o breakeven definido para o campo é de US$ 35 por barril. Dos ganhos com a produção, a meta será usada para compensar custos tidos até agora. Os demais 50% serão para pagar royalty e lucro-óleo à União.

“Estamos felizes com a qualidade da jazida”, disse Borges. Ele negou, porém, que o tamanho da reserva seja de 8 bilhões a 12 bilhões de barris. “Essa foi a estimativa da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) quando Libra foi descoberta”, ressaltou. Segundo o executivo, o consórcio nunca trabalhou com essa projeção. Ele disse também que ainda é cedo para calcular se o restante da área, que possui prazo exploratório de 27 anos, é maior ou menor do que Mero.

Segundo Borges, a Petrobras se concentrou em conhecer a região do poço descobridor do reservatório, o que permitiu antecipar a declaração de comercialidade do projeto, e que, em outras áreas, encontrou uma geologia diferente da de Mero. Em teleconferência com a imprensa para tratar da declaração de comercialidade divulgada na noite de quinta-feira, 30, o executivo informou ainda que a quarta plataforma do projeto será instalada na região norte do campo.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!