Chineses assumem 20% do mercado de sementes de milho no Brasil – Jornal do Comércio

O fundo chinês Citic Agri Fund anunciou nesta sexta-feira (1º) que concluiu na quinta-feira (30) a compra por US$ 1,1 bilhão do negócio de sementes de milho da Dow Agrosciences no Brasil, que passa a se chamar LP Sementes.

O anúncio foi feito em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) e, com a concretização do negócio, os chineses assumem 20% do mercado nacional de sementes de milho e ocupam a terceira colocação no ranking nacional.

É a concretização de um negócio fechado em julho, quando o grupo Dow Chemical vendeu parte do seu negócio de produção de sementes de milho no país ao Citic. A negociação foi feita para atender exigência do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) devido à fusão da Dow com a Dupont.

A negociação inclui a aquisição de ativos da Dow no Brasil, o acesso total ao banco de germoplasma de milho brasileiro, a marca Morgan e a licença para utilização da marca da Dow Sementes por 12 meses.

Neste período, a empresa lançará uma nova marca, para substituir a marca licenciada.

Presidente-executivo da Long Ping, braço agrícola do fundo chinês, Zhang Xiukuan afirmou que o acordo prevê que não haverá demissões sem justa causa nos próximos cinco anos. Ele exercerá a mesma função na LP.

“É importante que os funcionários trabalhem num ambiente tranquilo e que tenham estabilidade em seu trabalho e em seu lar”, disse.

A Long Ping é líder global no segmento de arroz híbrido -tem participação de mercado de 30% na China- e, segundo Xiukuan, sementes de arroz devem ser trazidas para o Brasil.

A empresa chinesa terá sede em São Paulo e manterá o escritório em Ribeirão Preto.

Gerente-geral da LP Sementes, Vitor Cunha disse que o uso de tecnologia é importante como ferramenta de manejo, “mas não é a salvação da lavoura”. “Todos sabemos que as tecnologias que temos hoje demandaram bastante tempo e investimento, mas não são a única forma. É uma ferramenta de manejo, outras práticas culturais devem ser adotadas”, disse.

De acordo com ele, a tecnologia e a genética contribuíram de forma significativa para o desenvolvimento do setor. “Há menos de dez anos, a safrinha, que era a segunda safra no Brasil, tinha média de 4 milhões de hectares e produtividade média de 55, 60 sacos por hectare. Hoje essa safrinha, que não é mais safrinha, é safrona, tem quase 11 milhões de hectares e produtividade de 120, 130 sacas por hectare.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!