Informais são 75% dos novos postos criados – Jornal do Comércio

Trabalho


Notícia da edição impressa de 01/12/2017.
Alterada em 30/11 às 22h37min

Informais são 75% dos novos postos criados

Setor privado teve apenas 17 mil admissões em empregos com carteira assinada

/MARCO QUINTANA/JC

Desde abril, quando o mercado de trabalho brasileiro começou a se recuperar, 75% das vagas geradas no País estão ligadas à informalidade. O cálculo é do coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, com base nos dados de outubro da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua Mensal. Entre abril e outubro, foram abertos 2,3 milhões de postos. Desses, 1,7 milhão foram vagas sem carteira assinada, trabalhadores por conta própria, empregados domésticos e empregadores.

O destaque foi o avanço do emprego sem carteira. Entre abril e outubro, foram abertas 721 mil vagas desse tipo. A segunda maior alta foi registrada no grupo dos trabalhadores por conta própria, que aumentou em 676 mil trabalhadores. Já o número de empregados domésticos cresceu em 159 mil no período, enquanto o de empregadores registrou acréscimo de 187 mil. Combinados, esses números resultam no aumento de 1,7 milhão. O restante das vagas, 511 mil, foram preenchidas no setor público.

Em contrapartida, o emprego com carteira assinada praticamente andou de lado. Foram apenas 17 mil vagas formais geradas no setor privado, pelas contas do IBGE. O instituto destaca que a metodologia empregada pela Pnad Contínua é diferente da usada no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e que vem registrando sucessivas altas no emprego formal desde o início do ano. Por isso, os números diferentes.

Azeredo destacou que o número é aproximado, porque algumas categorias não são exclusivamente compostas por emprego informal, como a de empregadores e a de empregados domésticos. No entanto, estão em linha com o esperado para o momento de recuperação gradual do mercado de trabalho. O aumento da ocupação ajudou na queda de 1,3 milhão no número de desempregados registrados desde que o cenário começou a melhorar em abril. “A crise econômica, o cenário político conturbado, de certa forma, inibe o processo de investir e empreender. Consequentemente, tem esse aumento da informalidade. Acredita-se que esse movimento informal, aumentando a massa de rendimento, possa movimentar esse mercado para que a gente possa ter o início de uma retomada de postos de trabalho formais”, afirma.

O técnico explicou ainda que optou por comparar o dado de outubro com o do início do ano para analisar melhor o comportamento do mercado de trabalho apenas em 2017, sem influência dos dados de 2016.

Brasil perde 738 mil vagas com carteira assinada em um ano; desemprego está em 12,2%

O mercado de trabalho no País perdeu 738 mil vagas com carteira assinada no período de um ano. O total de postos formais no setor privado encolheu 2,2% no trimestre encerrado em outubro ante o mesmo período do ano anterior, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do IBGE. Já o emprego sem carteira no setor privado teve aumento de 5,9%, com 615 mil empregados a mais. O total de empregadores cresceu 4,3% ante o trimestre até outubro de 2016, com 179 mil pessoas a mais.

O trabalho por conta própria cresceu 5,6% no período, com 1,208 milhão de pessoas a mais nessa situação. A condição de trabalhador familiar auxiliar aumentou 6,9%, com 142 mil ocupados a mais. O setor público gerou 132 mil vagas, um aumento de 1,2% na ocupação. Houve aumento de 123 mil indivíduos na condição do trabalhador doméstico, 2% de ocupados a mais nessa função.

A taxa de desemprego de 12,2% registrada no País no trimestre até outubro foi a menor desde o quarto trimestre de 2016, quando estava em 12,0%. O País ganhou 868 mil postos de trabalho em um trimestre, ao mesmo tempo em que 586 mil pessoas deixaram o contingente de desempregados. “O Brasil está vencendo o desemprego. Os dados do IBGE mostram isso”, comemorou em sua conta no Twitter, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

No trimestre encerrado em outubro, o mercado de trabalho perdeu 37 mil vagas com carteira assinada em relação ao trimestre anterior, encerrado em julho. O contingente de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado cresceu em 254 mil pessoas. Outros 326 mil indivíduos aderiram ao trabalho por conta própria.

O setor público teve aumento de 88 mil postos de trabalho em apenas um trimestre. O emprego como trabalhador doméstico aumentou em 177 mil pessoas.

Taxa de desemprego deve voltar para a casa de um dígito só em 2020, prevê consultoria

A evolução do mercado de trabalho e as perspectivas positivas para a economia brasileira mostram que “taxa de desemprego de um dígito” será possível somente daqui a dois ou três anos. O diagnóstico é do economista Luiz Castelli, da GO Associados, que projeta crescimento de 3,2% do PIB em 2018 e de 0,7% em 2017. A expectativa da GO Associados é que a taxa média da desocupação termine este ano em 12,6%, ficando acima da marca de 11,5% de 2017. Para 2018, o nível pode diminuir para 12%.

Castelli faz a análise à luz do resultado, divulgado nesta quinta-feira pelo IBGE, do desemprego no trimestre encerrado em outubro. O economista observou que a queda na taxa para 12,2% reflete a sazonalidade do período, quando o número de contratações sobe em razão da expectativa de aumento da demanda, principalmente no comércio por causa das vendas de fim de ano. No período, o nível de desemprego com ajuste sazonal ficou inalterado em 12,6%.

“Isso mostra que o movimento tem mais a ver com a sazonalidade do que de fato com alguma melhora consistente do mercado de trabalho. O recuo do desemprego ainda é muito puxado pela informalidade”, diz. A taxa de desemprego (sem ajuste) cresceu 0,2 ponto percentual em relação aos 12% no trimestre concluído em setembro.

De acordo com Castelli, a retomada do emprego ainda é lenta. O ritmo fraco de recuperação reflete, segundo o economista, o crescimento da força de trabalho, visto que mais pessoas estão em busca de ocupação. O economista acredita que assim que a atividade mostrar sinais mais sólidos de expansão o mercado de trabalho também poderá ter um retrato mais favorável. “O crescimento da população ocupada está num ritmo razoável, dado o grau de recuperação que ainda está no começo”, afirma.

Massa de salários em circulação cresce R$ 7,65 bilhões

A massa de salários em circulação na economia cresceu R$ 7,65 bilhões no período de um ano, graças ao aumento no número de pessoas trabalhando. Na comparação com o trimestre encerrado em julho, a massa de renda real aumentou 1,4% no trimestre terminado em outubro, R$ 2,578 bilhões a mais.

“A alta foi em função de ter tido estabilidade no rendimento com aumento da população ocupada”, explicou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE. “O ponto mais positivo é a massa ter crescido, porque a massa crescendo tem mais dinheiro circulando no mercado, mais renda, mais gasto, mais consumo. O ponto negativo é que o crescimento está se dando pela informalidade”, completou.


Seja o primeiro a comentar esta notícia

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!