Máquinas e equipamentos puxam recuperação de investimentos, diz Ipea – Jornal do Comércio

O consumo de máquinas e equipamentos puxou a alta de 1,6% na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no Produto Interno Bruto) na passagem do segundo para o terceiro trimestre, segundo cálculos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Mas a construção também contribuiu positivamente no período. Os dados do Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo foram ajustados com base nos resultados das Contas Nacionais Trimestrais divulgadas nesta sexta-feira, (1°), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referentes ao terceiro trimestre de 2017.

O componente máquinas e equipamentos cresceu 5,0% no terceiro trimestre ante o segundo trimestre do ano, enquanto a construção civil avançou 0,9%. O componente “outros” – que inclui desde touro reprodutor a árvores de café, passando por recursos dispensados com pesquisa e desenvolvimento – apresentou queda de 2,2%.

“A construção está ainda com uma ociosidade muito forte, tantos nos ramos de residência, comercial e industrial. Quando você retoma a produção, não é necessário investir em construção. Você precisa é fazer alguma modernização e manutenção de máquinas e equipamentos para aumentar a produtividade. O empresário opta por comprar uma máquina nova para ficar mais competitivo”, explicou José Ronaldo de Castro Souza Júnior, diretor de Estudos e Políticas Macroeconômicas do Ipea.

No terceiro trimestre, a produção nacional de máquinas e equipamentos já descontadas as exportações cresceu 3,3% no terceiro trimestre ante o segundo trimestre do ano. Já a importação de máquinas e equipamentos avançou 23,8% no período. “Quando o dado está muito ruim, muito baixo, qualquer importação já faz com que a variação dê um salto”, relativizou Souza Júnior.

O crescimento dos investimentos no terceiro trimestre ocorreu após quinze trimestres seguidos de recuos. O avanço de 1,6% em relação ao segundo trimestre de 2017 representou a primeira variação positiva desde o terceiro trimestre de 2013. Segundo o Ipea, há uma recuperação em curso, mas ainda calcada em máquinas e equipamentos. “Na construção com certeza ainda não há recuperação, a retomada é de máquinas e equipamentos”, afirmou o diretor do Ipea.

Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o componente máquinas e equipamentos subiu 9,9% no terceiro trimestre deste ano, enquanto a construção caiu 3,8%. O componente outros investimentos teve queda de 5,7%. A produção doméstica de máquinas e equipamentos menos o que foi exportado teve aumento de 10,7%, enquanto as importações subiram 8,4%.

O Ipea prevê uma queda de 2,5% na FBCF em 2017, seguida por avanço de 4,2% em 2018. Para o PIB, a expectativa é de alta de 0,7% este ano e avanço de 2,6% no ano que vem. “Mas provavelmente vamos revisar as projeções, e com viés de alta. Os dados estão melhores do que estávamos esperando. Houve revisão para cima. O PIB todo foi revisto, então devemos revisar para cima também nossas expectativas”, concluiu Souza Júnior.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!