PMI da indústria tem maior alta em quase 7 anos no Brasil, diz Markit – Valor

SÃO PAULO  –  O Índice Gerente de Compras para o Brasil atingiu a marca de 53,5 em novembro, acima do valor de 51,2 observado em outubro e um recorde de alta em 81 meses, com ajuste sazonal, informa a consultoria IHS Markit, responsável pelo levantamento, em relatório publicado nesta sexta-feira.

O resultado indica uma “melhora robusta” na saúde do setor industrial, segundo a consultoria. A categoria de bens de consumo teve o melhor desempenho, embora tenha sido observado também um crescimento nas de bens intermediários e de bens de investimento, diz o documento.

“A fim de cumprir os pedidos recebidos, os fabricantes brasileiros compraram mais insumos em novembro. Os níveis de compra aumentaram por um ritmo acentuado, o mais significativo desde janeiro de 2013. A atividade de compras mais elevada, combinada com baixos níveis de estoque junto aos fornecedores e perturbações nos mercados externos, pressionou o fluxo de abastecimento. A deterioração no desempenho dos fornecedores foi a mais acentuada em sete anos e meio”, diz a consultoria.

Como resultado disso, os estoques de compras caíram “acentuadamente e da maneira mais significativa” desde junho. Os estoques de produtos acabados também diminuíram em novembro, já que as empresas utilizaram os estoques para fazer frente ao crescimento nas vendas, diz a IHS Markit.

Ao mesmo tempo, as empresas continuaram a se concentrar na conclusão dos trabalhos pendentes, com os pedidos em atraso caindo pela taxa mais rápida em quatro meses, segundo o relatório. Os preços mais altos pagos por mercadorias básicas e outros materiais importados levaram a inflação de custos a aumentar e atingir um pico de 17 meses em novembro.

Em consequência disso, os preços de fábrica cresceram com a inflação de preços cobrados se revelando a mais alta desde fevereiro, segundo a IHS Makit.

“As previsões de novas melhorias econômicas, conquistas de novos clientes e diversificação de produtos impulsionaram o otimismo em relação às perspectivas para a produção no próximo ano. Em média, os fabricantes se mostraram otimistas num grau que foi o segundo mais alto desde o início de 2012, quando a pergunta sobre as perspectivas em relação à produção no futuro foi introduzida.”

O setor industrial brasileiro “engrenou uma marcha mais rápida em novembro, sustentada pela maior recuperação no volume de novos pedidos em quase sete anos”, diz a IHS Markit. “Os produtores de mercadorias responderam ao ambiente de demanda positiva aumentando os volumes de produção de forma comparável e comprando insumos adicionais para uso no processo de produção.”

A consultoria pondera que perturbações nas cadeias de fornecimento levaram a quedas adicionais nos estoques de mercadorias.

A pesquisa também mostra uma “intensificação das pressões inflacionárias, uma vez que o enfraquecimento da moeda resultou em preços mais altos para os itens importados”.

“Analisando as expectativas para o futuro, as empresas reavaliaram suas projeções de crescimento, com o grau de otimismo sendo o segundo mais forte observado até hoje.”

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!