Taxas longas de juros fecham em alta com ceticismo sobre Previdência – Jornal do Comércio

O pessimismo sobre as chances de aprovação da reforma da Previdência continuou pesando sobre a curva de juros, cujas taxas de longo prazo voltaram a fechar em alta nesta quinta-feira (30). Os contratos de curto prazo, por sua vez, terminaram com taxas em leve queda.

No fim da sessão regular, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 7,11%, de 7,13% no ajuste de quarta, e a do DI para janeiro de 2020 subiu de 8,41% para 8,47%. A taxa do DI para janeiro de 2021 avançou de 9,33% para 9,38% e a do DI para janeiro de 2023, de 10,19% para 10,28%.

A percepção que não haverá tempo hábil este ano para a votação do texto na Câmara, sobretudo diante do embate do PSDB e do governo o que, na visão dos analistas, dificulta a aglutinação de apoio, prevaleceu ao longo do dia, embora as taxas tenham ensaiado correção de parte da alta de quarta em alguns momentos, por exemplo, no começo da tarde após o leilão de Letras do Tesouro Nacional (LTN). A oferta de 6 milhões de títulos foi vendida integralmente.

Porém, a cautela acabou mesmo dando o tom. Os tucanos querem alterações no texto da reforma, às quais o governo sinalizou que não vai ceder, mas o presidente interino do partido, Alberto Goldman, afirmou que na quarta-feira haverá nova reunião do partido para decidir se a sigla fechará questão sobre a votação da reforma.

E, diante da ansiedade em torno da definição de uma data, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), deixou claro que não tem data porque não tem voto. “Só vou marcar uma data se tivermos os votos”, disse. Maia admitiu que a votação da medida provisória do Repetro – aprovado por 208 contra 184 – expôs a falta de articulação da base aliada ao tratar uma matéria bem menos polêmica.

Para a Previdência ser aprovada, são necessários 308 votos. Para o presidente da Câmara, essa votação era chave e uma forma de medir as chances do governo com a Reforma da Previdência.

A pressão no mercado de juros, contudo, é vista como moderada em relação aos demais ativos domésticos e também diante do expressivo aumento do rendimento dos Treasuries nesta tarde. Às 16h38, o dólar à vista tinha alta de mais de 1%, aos R$ 3,2749 (+1,15%) e, nas ações, o Ibovespa tinha perdas de 1,83%, aos 71.365,32 pontos. Já a taxa da T-Note de dez anos rompia os 2,43%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!