Turbulência política nos EUA pressiona bolsas da Europa, que fecham em queda – Jornal do Comércio

As bolsas europeias fecharam em queda nesta sexta-feira, com os investidores focados nos problemas políticos dos Estados Unidos que estouraram na última meia hora do pregão.

O ex-conselheiro de segurança nacional de Donald Trump, Michael Flynn, revelou em delação premiada que recebeu orientação do comando da equipe de transição do presidente para contatar o embaixador russo. Flynn se declarou culpado de ter mentido ao FBI e sua delação deverá comprometer integrantes da cúpula do governo, inclusive o próprio Trump.

A turbulência política fez as bolsas de Nova York aprofundarem perdas, puxando também as praças europeias. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,70%, a 383,97 pontos. Na semana, o Stoxx 600 acumula queda de 0,68%.

Antes do “efeito Flynn”, os índices europeus operavam de lado, reagindo a dados macroeconômicos da região e especulações com a reforma tributária dos EUA, cuja votação foi adiada para esta sexta-feira.

Além disso, diversos índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industriais resultavam em movimentos mistos das bolsas. Na zona do euro, o avanço do indicador foi de 58,5 para 60,1, de acordo com a IHS Markit, enquanto na Alemanha o número passou de 60,6 para 62,5. O PMI do Reino Unido, por sua vez, subiu para 58,2, acima da previsão.

Em Londres, o FTSE 100 fechou em queda de 0,36%, aos 7.300,49 pontos, enquanto o DAX, de Frankfurt, recuou 1,25%, para 12.861,49 pontos. Paris recuou 1,04%, aos 5.316,89 pontos, e Madri perdeu 1,23%, indo para os 10.085,00 pontos. Milão caiu 1,17%, a 22.106,10 pontos. Lisboa recuou 0,23%, aos 5.350,84 pontos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!