PIB do Brasil cresce apenas 0,1% no terceiro trimestre – Jornal do Comércio

A economia brasileira registrou no terceiro trimestre sua terceira alta seguida. Entre julho e setembro, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1%. Apesar de modesto, o número foi bem recebido pelo mercado. Um dos motivos do otimismo é que o IBGE revisou os números do primeiro e do segundo trimestres, e concluiu que a economia cresceu mais que o anunciado anteriormente. Dessa forma, entre janeiro e março, o PIB passou de 1% para 1,3% de alta. Entre abril e junho, foi de 0,2% para 0,7%.

Além disso, alguns indicadores sinalizam que a retomada do crescimento começa a ganhar consistência. No terceiro trimestre, os investimentos, por exemplo, registraram a primeira alta (1,6%) ante o trimestre anterior, após 15 quedas seguidas. O consumo das famílias, impulsionado pela melhora no mercado de trabalho, entre outros fatores, repetiu o ritmo de crescimento (1,2%) do segundo trimestre. Com esse cenário, o mercado já fala em alta do PIB no ano até superior a 1%.

“O índice de difusão do PIB, que calcula quantos segmentos cresceram, tem acelerado nos últimos trimestres, e hoje quase 80% dos diversos segmentos estão crescendo, número semelhante ao que se tinha antes da crise”, disse o economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale. Na comparação com o terceiro trimestre de 2016, a alta foi de 1,4%, melhor desempenho desde o início de 2014.

No acumulado de janeiro a setembro, a economia cresceu 0,6%, número comemorado pelo governo. “Esse número já supera a previsão inicial dos economistas para 2017”, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. De fato, em janeiro, a projeção dos analistas ouvidos no Boletim Focus, do Banco Central, era de crescimento de 0,5% no ano.

A perda de ritmo de crescimento ao longo do ano (de 1,3% para 0,7% e, agora, 0,1%) se deveu, em grande parte, ao desempenho da agropecuária, cujo avanço foi concentrado no primeiro semestre – no terceiro trimestre, caiu 3%. Isso ocorre porque as principais safras do País, como soja e milho, são colhidas na primeira metade do ano. Mas, no acumulado de 2017, a agropecuária continua como o grande destaque, ressaltou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Para a economista Monica de Bolle, a economia pode mesmo ganhar alguma tração agora, mas há fatores que devem limitar isso. “Os ruídos políticos nem começaram. Não sabemos ainda o tamanho da disputa eleitoral (de 2018) e não temos noção do seu impacto sobre a economia.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!