Cobre opera em alta, ainda em recuperação após quedas recentes – Jornal do Comércio

O cobre opera em alta na manhã desta segunda-feira (4), embora sem muito impulso, ainda em uma trajetória de recuperação após recuos recentes. O dólar mais forte, porém, limita o movimento.

Às 9h20min (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,07%, a US$ 6.821,50 a tonelada, na London Metal Exchange (LME). Às 9h43min, o cobre para março avançava 0,31%, a US$ 3,1020 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

O dólar está mais forte em relação a uma cesta de outras divisas de países desenvolvidos. Isso contém o apetite dos investidores detentores dessas outras moedas, já que com o movimento no câmbio o cobre fica mais caro para eles. A divisa americana é apoiada pelo fato de o Senado americano ter aprovado um projeto de reforma tributária no sábado que deve reduzir o imposto para as empresas. É preciso, porém, ainda conciliar esse projeto com o aprovado pela Câmara dos Representantes anteriormente, lembram os analistas do Commerzbank em nota.

Os operadores seguem de olho nos acontecimentos sobre a reforma tributária em Washington, nas especulações sobre o futuro do secretário de Estado americano, Rex Tillerson, e também aguardam qualquer sinal do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que se reúne na próxima semana.

Entre outros metais básicos negociados na LME, o zinco caía 0,79%, a US$ 3.216,50 a tonelada, o alumínio recuava 0,02%, a US$ 2.074,50 a tonelada, o estanho subia 0,56%, a US$ 19.540 a tonelada, o níquel avançava 1,1%, a US$ 11.440 a tonelada, e o chumbo recuava 0,06%, a US$ 2.539,50 a tonelada. 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!