Lucro das empresas aéreas deve alcançar US$ 38,4 bilhões em 2018 – Jornal do Comércio

As empresas aéreas globais devem reportar lucros maiores em 2018, atingindo os US$ 38,4 bilhões, uma reversão ante a queda observada nos últimos dois anos e superando o valor recorde de US$ 35,9 bilhões anotado em 2015, prevê a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). A entidade avalia que a demanda por transporte aéreo seguirá forte, embora crescendo a um ritmo menor que o observado neste ano. Por outro lado, os custos com combustíveis e obrigações trabalhistas seguirão em alta.

O lucro estimado corresponde a um crescimento de 11,3% em relação ao estimado para este ano. Em relação a 2017, a Iata revisou para cima suas estimativas de lucro líquido, para US$ 34,5 bilhões, ante os US$ 31,4 bilhões estimados em junho. “Este é um bom momento para o setor de transporte aéreo global”, disse o diretor geral da Iata, Alexandre de Juniac. Ele destacou o aumento do número de passageiros e a expansão da demanda por transporte de carga, que é a mais forte em uma década.

A Iata estima que a demanda por transporte de passageiros encerrará 2017 com um crescimento de 7,5%, ritmo que deve desacelerar em 2018 para 6%, ainda acima da taxa média de expansão dos últimos 10 anos, de 5,5%. Já a expansão da oferta é estimada em 5,7% para o ano que vem. Com isso, a taxa de ocupação deve alcançar um nível recorde de 81,4%, o que deve colaborar para uma melhora de 3% no yield. Ao final, a receita com o transporte de passageiros deve somar US$ 581 bilhões, 92% acima do estimado para 2017.

Já o transporte de carga deve desacelerar em ritmo maior, passando de uma taxa estimada de crescimento de 9,3% neste ano para 4,5% em 2018. A Iata explicou que a forte expansão observada em 2017 é resultado de uma necessidade das empresas de elevar os estoques para fazer frente a uma demanda mais forte que o normal. Ainda que isso não deva se repetir em 2018, o crescimento deve permitir que o yield para transporte de carga cresça 4%, ante os 5% projetados para este ano. Com isso, a receita no segmento deve alcançar, no ano que vem, US$ 59,2 bilhões, 8,6% acima do esperado para 2017.

“O que mudou no transporte de carga é o crescimento do comércio eletrônico, que deve seguir impulsionando o setor no ano que vem”, disse a associação, que representa 265 companhias responsáveis por 83% do tráfego aéreo global e estima que a margem líquida das aéreas deve ter leve alta em 2018, para 4,7%, ante 4,6% estimado para 2017. A margem operacional, contudo, deve recuar para 8,1%, ante os 8,3% deste ano. Isso porque os custos operacionais devem avançar, com o aumento do preço do combustível de aviação e a alta dos gastos trabalhistas. As despesas financeiras, por sua vez, devem recuar, após uma redução das dívidas.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!