Opinião econômica: Solução à vista – Jornal do Comércio

Sempre fui otimista com o Brasil. Deus pensou grande quando criou este país. Nosso povo sincrético tem um jeito de ser específico, com suas mazelas, mas também com grandes fortalezas.

Toda a potência do Brasil ainda não criou o Brasil potência. Tenho fé em que podemos chegar lá. Temos vários lampejos do que podemos e queremos ser: uma economia diversificada, uma das maiores do mundo; um povo criativo, trabalhador e empreendedor; uma democracia ferida, mas muito viva; uma imprensa livre e alerta; instituições resistentes; e um espaço enorme para o desenvolvimento.

Agora, no meio de nossa maior crise em décadas, realizaremos, no ano que vem, uma eleição para repactuar, democraticamente, o País.

Vou repetir, à la Carlos Drummond de Andrade: no meio do caminho tem uma eleição, tem uma eleição no meio do caminho. Na vida de nossas retinas tão fatigadas, elas são a única solução possível (e constitucional) para o “córner” político em que nos encontramos.

Não devemos temer eleições. Devemos participar das eleições para que nossas vozes sejam ouvidas. Não há oportunidade melhor e maior de renovação do que o voto consciente.

Já está no ar e nas redes uma disputa eleitoral violenta, agressiva, bipolar, do nós contra eles e do eles contra nós. Mas ainda é cedo, e muito pode ser mudado nesse caminho para que o caminho do meio seja o meio para o caminho.

Há uma série de iniciativas novas na política que não querem acabar com a política, mas buscam renová-la para fortalecê-la.

E, se as redes estão sendo usadas para atacar e destruir, elas podem perfeitamente ser usadas para construir.

O Brasil não precisa de heróis e vilões no enredo eleitoral de 2018. Ele precisa de visões, de um conjunto de ideias que apaixonem este carente país. Para que a pauta seja essa, é preciso, antes de mais nada, travar o bom debate e discutir os argumentos, não as acusações.

O Brasil está exausto, à beira de um ataque de nervos. Ao mesmo tempo, a economia se recupera. Já se prevê um crescimento de 3% do PIB no ano que vem. Mas no meio do caminho tem uma eleição, que muitos respeitados analistas políticos e econômicos consideram um potencial risco à retomada econômica.

Com todo respeito, acho que temos de inverter esse jogo e olhar as eleições como a forma mais democrática e eficiente de pacificar o País, de trazer, pelo voto democrático, a normalidade, a estabilidade e a previsibilidade essenciais ao desenvolvimento socioeconômico.

No ano que vem, eu completo 60 anos de idade. Confesso que imaginei o Brasil num outro patamar quando, mais jovem, pensava no futuro. Minha geração, na esfera coletiva, fracassou em criar o Brasil que sonhávamos. Enfrentamos crises econômicas profundas e recorrentes, choques externos e internos, uma longa ditadura, populismo econômico, corrupção sistêmica. Mas, por outro lado, criamos empresas fortes, uma democracia resistente, uma das maiores economias do mundo.

Muito já foi feito, mas resta muito a fazer. Vamos (re)começar promovendo, no ano que vem, as eleições do entendimento, do respeito, da repactuação nacional e democrática.

2018 é a hora do diálogo, não da batalha campal. Vamos debater em alto nível, com respeito e em respeito aos brasileiros. E que o eleito seja a partir de sua posse o presidente de todos nós e para todos nós. O Brasil é um só, unido pela democracia. Só ela pode determinar o caminho que estamos todos buscando.

Publicitário e fundador do Grupo ABC

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!