Arthur Maia diz que expectativa é aprovar a Previdência na semana que vem – Jornal do Comércio

O relator da reforma da Previdência, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), disse nesta terça-feira (5), que a expectativa é votar a proposta na próxima terça-feira (12), na Câmara dos Deputados. “Se votarmos o primeiro turno na semana que vem, dá para votar em segundo turno na outra (semana)”, afirmou a jornalistas.

O deputado demonstrou confiança nas “grandes chances” de aprovação da proposta ainda este ano e disse que adiar para fevereiro “é conversa de quem não quer votar”. Ele disse ainda que, mesmo com o placar apertado, o governo deveria levar o texto da reforma ao plenário da Câmara. “Por mim, tem que votar”, enfatizou.

Segundo Oliveira Maia, a possibilidade de que alguns partidos obriguem seus parlamentares a votar a favor da reforma (por meio do chamado “fechamento de questão”) pode ajudar consideravelmente a construir o apoio necessário. Hoje o governo ainda não tem os 308 votos de que precisa para aprovar mudança constitucional.

“O fechamento de questão é fundamental porque garante quase a totalidade de votos do partido”, afirmou o relator.

Para o deputado, o PMDB tem que “dar o exemplo” no fechamento de questão por ser o partido do presidente Michel Temer e também o maior na base aliada.

Sobre a resistência de alguns partidos como PSD, de Gilberto Kassab, e do DEM, do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o relator afirmou que confia no diálogo. “A posição do DEM é majoritária a favor da reforma. E o PSD é um partido muito importante, confio na liderança de Kassab”, afirmou.

Oliveira Maia acredita que o fechamento de questão de partidos da base aliada pode fazer com que outros parlamentares votem a favor da reforma. “A racionalidade está contaminando as pessoas (parlamentares)”, disse.

O relator voltou a dizer que a proposta combate privilégios, principalmente de categorias do serviço público, e disse que “só num País atrasado há realidades tão díspares” para regras de aposentadoria e pensão.

“Quem quiser votar contra estará votando pela preservação de privilégios”, afirmou o deputado.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!