Tensão com Previdência se sobrepõe ao Copom e taxas de juros fecham em alta – Jornal do Comércio

Os juros futuros prosseguiram em alta firme do início ao término da sessão regular desta quinta-feira (7). Após o fechamento de questão para apoio à reforma da Previdência por parte do PMDB e PTB ter dado alguma esperança em torno da definição de uma data para a votação, o ceticismo voltou ao dia seguinte com força às mesas de operação, com os investidores já mais pessimistas sobre a possibilidade de a reforma sair este ano.

O leilão de títulos prefixados foi apontado como mais um fator de pressão sobre as taxas. E, em função desse mau humor, a reação ao comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) foi abafada.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 passou de 7,04% para 7,06% e a do DI para janeiro de 2020, de 8,27% para 8,34%. A taxa do DI para janeiro de 2021 subiu de 9,18% para 9,27% e o DI para janeiro de 2023, de 10,04% para 10,15%.

Com o fechamento de questão dentro do PMDB, a expectativa do mercado era de que, após o jantar da quarta do presidente Michel Temer com lideranças políticas no Palácio do Alvorada, já haveria condições para definir que a votação na Câmara seria na próxima semana, como vinha sendo cogitado pelos líderes. Mas como isso não ocorreu a leitura do mercado é de que o governo segue com dificuldades em conseguir os 308 votos. Após o jantar, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP), disse que a votação pode “eventualmente” acabar ficando para a última semana do ano legislativo – 18 e 22 de dezembro.

O deputado ressaltou que o governo conta ainda com 15 dias corridos para votar a reforma e que, dentro desse período, o trabalho para virar os votos será intenso. Mansur reafirmou o placar de 260 votos a favor até agora, mas ressaltou que esse número contabiliza indicações feitas pelos partidos até a quarta. Segundo ele, alguns partidos ainda ficaram de entregar seu placar.

Sobre o Copom, a decisão de cortar a Selic em 0,50 ponto porcentual para 7,00% estava bem precificada, mas havia alguma incerteza sobre a sinalização para o encontro de fevereiro. E, pelo comunicado, o mercado entendeu que haverá pelo menos mais uma redução, desta vez de 0,25 ponto porcentual, o que exigiria ajustes para baixo na curva curta, uma vez que alguns players trabalhavam com o cenário de que o corte de quarta seria o último do ciclo. Porém, os juros curtos acabaram ficando estáveis, contaminados pelo mau humor generalizado.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!