GM vai lançar veículo elétrico e serviço de aluguel de carros no Brasil em 2018 – Jornal do Comércio

Líder do mercado brasileiro há dois anos, a americana General Motors deverá trazer ao Brasil em 2018 os primeiros veículos 100% elétricos importados para testar o interesse do consumidor local pela novidade. Além disso, a montadora iniciará a primeira operação comercial do serviço de aluguel de veículos Maven, que já funciona em várias metrópoles norte-americanas. No Brasil, por enquanto, o serviço está restrito aos funcionários da empresa e disponível em todas as unidades da GM.

Segundo o presidente da GM Mercosul, Carlos Zarlenga, a intenção da montadora é tentar entender a velocidade da adoção das novidades que a empresa está desenvolvendo globalmente. Ao contrário de outras montadoras, a GM está otimista em relação às possibilidades do veículo elétrico no Brasil – globalmente, a intenção da multinacional americana é ter 20 modelos elétricos até 2023. “É uma mudança que vai acontecer. E tem algumas indústrias que vão perder com a eletrificação”, disse.

Em visita ao País no mês passado, o presidente global da marca Volkswagen, Herbert Diess, adotou posição diferente: embora a alemã esteja correndo para cumprir metas de vendas de carros elétricos na Europa, ele disse acreditar que, no Brasil, a tecnologia não é a melhor opção para reduzir emissões de gás carbônico. Para ele, a legislação, aqui, deveria priorizar o uso do etanol.

A discussão do elétrico versus o etanol é relevante dentro das discussões do Rota 2030, programa que vai substituir o Inovar-Auto e deve estabelecer novas regras de benefícios tributários para montadoras.

A chegada do serviço Maven – que consistirá em “bolsões” de carros que poderão ser alugados via um aplicativo – e o lançamento do elétrico no País (provavelmente, o modelo Bolt) poderão ser concomitantes, disse Zarlenga. O executivo explicou que, antes de tentar vender o veículo elétrico, a GM poderá locá-lo pelo Maven para testar o interesse do consumidor. O produto tem uma barreira de preço, já que dificilmente custaria menos de R$ 100 mil por aqui.

Após renovar boa parte de sua linha entre 2013 e 2016 – e de assumir a liderança do mercado -, a General Motors reduziu os lançamentos em 2017. Para 2018, há a expectativa de novidades, como um novo SUV (utilitário leve) – notícia que Zarlenga não quis confirmar. A companhia anunciou investimentos de R$ 4,5 bilhões no Brasil até 2020, divididos entre as unidades de São Caetano do Sul (SP), Joinville (SC) e Gravataí (RS).

A recuperação do mercado brasileiro em 2017 também ajudou a trazer a operação da GM na América do Sul – na qual a participação do Brasil é superior a 50% – ao primeiro resultado positivo em quase três anos. O lucro da companhia na região foi de US$ 59 milhões no terceiro trimestre de 2017.

A GM trabalha com expansão de até 15% para o mercado brasileiro no ano que vem – caso as expectativas mais otimistas da montadora se confirmem, o Brasil venderá 2,6 milhões de veículos em 2018. Neste ano, o presidente da GM disse que a montadora tirou proveito do fato de ter sido mais otimista que a média do mercado – isso permitiu que a empresa preparasse a cadeia de fornecedores para a demanda, que deverá ficar em 2,25 milhões de unidades.

De janeiro a novembro de 2017, a GM manteve a liderança isolada do mercado de automóveis e comerciais leves, com 18,13% dos emplacamentos, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Em seguida vêm a Fiat, com 13,45%, e a Volkswagen, com 12,52%.

Boa parte do resultado está calcada nas vendas do Ônix, que contabiliza 171,1 mil emplacamentos até novembro, contra 96,8 mil do HB20 (Hyundai) e 87 mil do Ka (Ford). Apesar de frisar que a GM está tendo bons resultados em segmentos de maior valor agregado, Zarlenga disse que é natural que a liderança de mercado reflita os veículos de entrada. “No Brasil, esses produtos representam cerca de 50% do mercado.”

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!