STF decide sobre correção de débito trabalhista na contramão da reforma – Jornal do Comércio

O Supremo Tribunal Federal (STF) tomou esta semana uma decisão na contramão da reforma trabalhista, o que coloca incertezas sobre a aplicação das mudanças e de como elas serão avaliadas pela Corte. A decisão tratou do índice de correção aplicado nos processos trabalhistas.

Por maioria, a Segunda Turma do STF julgou improcedente, na terça-feira, uma reclamação da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), que era contra a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) de determinar a adoção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E), medido pelo IBGE, no lugar da Taxa Referencial (TR).

A TR foi fixada como parâmetro de correção de ações na reforma trabalhista. Até setembro, ela acumulava 0,59%, e o IPCA-E, 2,56%. A diferença entre os dois índices, no entanto, já esteve bem maior, quando a inflação estava alta.

Embora o Supremo não tenha decidido sobre o mérito da questão, ou seja, sobre a correção das dívidas trabalhistas em si, a posição da Corte foi vista como um aval para que juízes trabalhistas continuem usando o índice IPCA-E para calcular a correção nos processos.

O julgamento da reclamação da Fenaban na Segunda Turma começou em setembro, mas havia sido interrompido por um pedido de vista. A Fenaban sustentou na reclamação que, em 2015, ao declarar a inconstitucionalidade da TR como índice de correção da Justiça do Trabalho, o TST usurpou a competência do Supremo, ao qual cabe o controle de constitucionalidade.

A entidade argumentou também que o TST aplicou indevidamente aos débitos trabalhistas o entendimento do STF em duas ações diretas de inconstitucionalidade (ADIs) que tratavam de correção monetária de precatórios. No início do julgamento em setembro, o relator, ministro Dias Toffoli, votou pela procedência da reclamação da Fenaban. O ministro Ricardo Lewandowski divergiu, votando pela improcedência, e foi acompanhado por Celso de Mello e Edson Fachin.

Autor do voto vencedor, Lewandowski citou diversos precedentes das duas turmas do STF no sentido de que o conteúdo das decisões que determinam a utilização de índice diferente da TR para atualização monetária dos débitos trabalhistas não está relacionado ao decidido nas ADIs dos precatórios. A íntegra do voto do ministro não foi divulgada. Ele será o autor do acórdão da decisão. Só após a publicação desse texto, é que maiores detalhes sobre o processo serão conhecidos.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!