Taxas futuras de juros recuam com desaceleração do IPCA – Jornal do Comércio

Os juros futuros recuam com a desaceleração do IPCA de novembro, que subiu 0,28%, após alta de 0,42% em outubro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE. O resultado da inflação oficial do País no mês passado ficou abaixo do piso das estimativas do mercado, que iam de 0,30% e 0,50%, com mediana positiva de 0,35%.

Também amparam o comportamento das taxas, segundo profissionais de renda fixa, a possibilidade de votação da reforma da Previdência no dia 18 de dezembro e os dados positivos divulgados na China que enfraquecem o dólar ante o real e outras moedas ligadas a commodities. Em contrapartida, o minério de ferro subiu 5,55%, a US$ 69,35 a tonelada no porto chinês de Qingdao, e o petróleo e cobre avançam nesta manhã.

Lá fora, o ambiente de negócios está positivo nesta sexta. Os investidores reagem à aprovação da extensão temporária do teto da dívida dos Estados Unidos até 22 de dezembro, às exportações e importações da China melhores que o esperado em novembro, ao aumento do PIB do Japão no terceiro trimestre também acima das previsões e ao avanço das negociações do Brexit.

Às 9h51min, o DI para janeiro de 2019 seguia em 7,01%, de 7,06% no ajuste de quinta-feira (7). O DI para janeiro de 2020 marcava 8,28%, de 8,34%. O vencimento para janeiro de 2021 exibia 9,21%, de 9,27% no ajuste anterior. E o DI para janeiro de 2023 estava em 10,09%, de 10,15% no ajuste de véspera. No câmbio, o dólar à vista recuava 0,44%, aos R$ 3,2743. O dólar futuro de janeiro caía 0,55%, aos R$ 3,2805.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!