Anac diz que ainda é cedo para avaliar impacto da nova regra de bagagem – Jornal do Comércio

O diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Juliano Alcântara Noman, reforçou que ainda é cedo para se tirar conclusões definitivas em relação aos impactos da nova regra de bagagem despachada sobre os preços das tarifas aéreas. “Preferimos ter um pouco mais de cautela e observar esse efeito no tempo”, afirmou, em evento para jornalistas promovido pela Anac.

Noman disse não saber os detalhes que levaram a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) a concluir que a nova regra tenha causado a tendência de queda de até 30% dos preços das passagens observada em dados preliminares entre junho e o início de setembro. “Não sei dizer se foi precipitado, se elas têm convicção de que foi a bagagem. Do ponto de vista do regulador, só chegaremos a uma conclusão de fato se observarmos a norma no tempo.

O diretor da Anac lembrou ainda que a agência se comprometeu a revisitar a Resolução 400/2016 após cinco anos de vigência da norma, prazo considerado suficiente para analisar os efeitos gerados pela medida sobre o setor. “Não significa que vamos voltar a regular, mas devemos fazer uma revisão, uma discussão sobre se a norma alcançou os benefícios esperados ou não.” Noman salientou ainda que a agência não levará todo esse prazo para divulgar uma análise de preços mais acurada, mas ressaltou que “o juízo de valor” sobre a resolução precisa ser feito com “responsabilidade e cautela”.

A avaliação da Anac é compartilhada por Angelo José Duarte, subsecretário de Análise Econômica e Advocacia da Concorrência da Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) do Ministério da Fazenda. “É precipitado falar que houve efeito x, y, z porque ainda não temos muito tempo da medida, e as empresas começaram a implementar isso em datas diferentes”, pontuou.

Duarte destacou também os diversos efeitos que podem ter influenciado as tarifas aéreas durante os meses em que a medida passou a vigorar, tanto aqueles inerentes à atividade do setor quanto os exógenos. De todo modo, segundo o subsecretário, exercícios preliminares conduzidos pela SEAE mostram que, em um mesmo voo, as passagens mais caras aumentaram de valor após o fim da franquia de bagagem, ao passo que as mais baratas diminuíram de preço. “Cobrar preços diferentes pelo mesmo voo significa que o sistema está funcionando, significa que se pôde identificar as características de cada consumidor e cobrar por característica e serviço”.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!