Efeito Maia volta a gerar volatilidade no Ibovespa; dólar recua – Valor

SÃO PAULO  –  A recente volatilidade provocada pelo noticiário político, em especial pelas declarações do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, mostrou-se bastante explícita na sessão desta segunda-feira. Depois de uma abertura positiva, diante de sinais mais favoráveis de parlamentares à reforma, o Ibovespa passou a cair, diante de declarações de Maia, entendidas inicialmente como menos otimistas em relação à possibilidade de votação do projeto. Na sequência, a melhor compreensão do contexto dessas declarações abriu espaço para a recuperação da bolsa. E, às 13h47, o índice mostrava ganho de 0,48%, aos 73.081 pontos.

O que esse episódio revela é o nível de ansiedade do mercado sobre o tema. E o quanto qualquer declaração de integrantes do governo é capaz, hoje, de influenciar os preços.

Maia afirmou, em entrevista a jornalistas, que o esforço do governo para levar o projeto à votação na semana que vem prossegue. “Trabalho muito para que a gente encerre [a votação] este ano, esse é meu trabalho, meu empenho”, disse. Admitiu que esse desafio “não é fácil”, mas ressaltou que, por outro lado, há alguns meses parecia impossível acreditar que, em dezembro e chegando perto da eleição presidencial o tema estaria sendo discutido como agora.

Num primeiro momento, parte dos investidores entendeu que Maia estaria fazendo um discurso de menos otimismo sobre o espaço para se votar o projeto. Ideia que foi corrigida na sequência, à medida que a íntegra da fala de Maia foi sendo conhecida. “Num primeiro momento, pareceu uma ducha de água fria logo após o mercado melhorar com o noticiário do fim de semana. Mas logo isso foi esclarecido e o mercado voltou a melhorar”, explica um profissional.

O mercado reagiu logo no começo do dia à demonstração de apoio do PSDB à reforma da Previdência e à determinação do PPS de que seus parlamentares votem a favor da reforma que, na visão dos agentes, elevou a chance de o governo conseguir aprovar, em primeiro turno, o projeto no dia 18.

Ações de empresas estatais, que têm reagido diretamente ao debate sobre a viabilidade da reforma da Previdência, refletem essa melhora de humor. Petrobras PN subia 0,85% e Petrobras ON ganhava 1,20%. Já Eletrobras ON avançava 0,70% e Eletrobras PNB operava estável. Já Banco do Brasil tinha valorização de 1,78%.

Outro papel que chama a atenção nesta manhã é Magazine Luiza, que passará a integrar o índice em janeiro. A ação sobe 0,93% e está entre as ações mais negociadas até o momento (R$ 118 milhões). Uma das razões para a força do papel é a adequação de fundos passivos, que precisam replicar o desempenho do Ibovespa e, por isso, precisam ter ações da varejista em carteira.

Dólar

A desconfiança com o avanço da reforma da Previdência ainda pressiona o câmbio. O dólar opera em baixa desde o começo do dia, mas já afastado das mínimas da sessão.

O vaivém dos ativos locais denota, mais uma vez, a sensibilidade ao noticiário político. Mesmo com alguns discursos mais favoráveis à proposta durante o fim de semana, o sinal positivo foi colocado à prova durante discurso de Maia.

Às 13h47, o dólar comercial caía 0,18%, a R$ 3,2890. Mesmo com queda menor do dólar, o câmbio brasileiro estava entre os dez melhores desempenhos do dia.

O contrato futuro para janeiro, por sua vez, recuava 0,08%, a R$ 3,2965.

Juros

O comportamento dos juros futuros nesta segunda-feira evidencia, mais uma vez, a falta de confiança no mercado quando se trata de reforma da Previdência. Mesmo com alguns discursos mais favoráveis à proposta durante o fim de semana, o sinal positivo dos ativos – que perdurava desde cedo – foi colocado à prova durante discurso de Rodrigo Maia.

Os juros futuros voltavam a recuar. O DI janeiro/2019 cai a 6,990% (7,010% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2020 cede a 8,270% (8,290% no ajuste anterior).

O DI janeiro/2021 cai a 9,200% (9,240% no ajuste anterior) enquanto o dólar comercial cai 0,15%, a R$ 3,2900.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!