OMC busca avançar nas negociações multilaterais – Jornal do Comércio

A Organização Mundial do Comércio (OMC) inaugurou ontem sua 11ª Conferência Ministerial, em Buenos Aires, capital argentina. É a primeira vez que o evento é realizado em um país sul-americano desde a sua criação, em 1995. Nesta edição, que ocorre até quinta-feira, é grande a expectativa para impedir a paralisação das negociações multilaterais entre os 164 membros da OMC e garantir a sobrevivência do órgão que regula o comércio internacional.

“A situação é de extrema preocupação”, disse o secretário-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo, em entrevista antes do início da conferência. “Não vou apontar o dedo (para um país). O que precisamos é de um esforço coletivo para superar os problemas”, acrescentou.

O maior obstáculo, no momento, são os Estados Unidos, que bloquearam a nomeação de três dos sete juízes do Órgão de Apelação – uma espécie de Corte Suprema do comércio internacional. Já há algum tempo, o governo norte-americano vem questionando o mecanismo de solução de controvérsias da OMC, especialmente após perder vários processos. Agora, o presidente Donald Trump elevou o tom da crítica e já deixou claro que prefere negociações bilaterais às multilaterais.

Além das questões relativas às negociações, Azevêdo também citou como um dos desafios a serem discutidos na conferência o efeito da evolução da tecnologia na produção industrial, que tem levado ao fechamento de fábricas e redução no número de empregos. Para o secretário-geral da OMC, a solução para esse problema não é o protecionismo.

“Na crise de 2008, os países não ergueram barreiras ao comércio, como no passado, porque a OMC garantia certa estabilidade”, disse Azevêdo, referindo-se à Grande Depressão econômica, que teve início em 1929 e durou até a Segunda Guerra Mundial. A solução, argumentou, é avançar na abertura de mercado em outros setores, como comércio eletrônico, ampliação do financiamento e de medidas para integrar melhor pequenas e médias empresas.

Os presidentes do Brasil, Michel Temer; do Uruguai, Tabaré Vasquez; e do Paraguai, Horacio Cartes, viajaram à Argentina para a abertura da conferência da OMC e para um encontro posterior entre os chefes dos quatro países-membros do Mercosul. O bloco regional quer assinar, nos próximos dias, um compromisso político com a União Europeia (UE), com a qual está negociando um acordo de livre comércio.

A Organização Mundial do Comércio (OMC) informou que seus países-membros adotaram menos medidas restritivas ao comércio internacional neste ano. Segundo a OMC, o dado é um sinal de “moderação”, apesar das “atuais incertezas econômicas”.

A análise considera os casos reportados pela organização até outubro e os compara com o mesmo período de 2016. De acordo com o informe, em 2017, os países integrantes da OMC aplicaram mais medidas de facilitação de comércio do que ações restritivas. O volume de comércio influenciado pelas facilitações foi mais de duas vezes maior que o total afetado pelas restrições.

As medidas de facilitação aplicadas durante o período no contexto do Acordo sobre Tecnologia da Informação ampliado abarcaram importações de cerca de
US$ 385 milhões, o equivalente a 2,4% das importações mundiais.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!