Conab mantém previsão de queda na produção de grãos e aumento da área plantada |

Alto Paraíso de Goiás (GO) - Plantação de soja em área do município de Alto Paraíso (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A área de plantio de soja teve aumento de 1 milhão de hectaresArquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) atualizou hoje (12) sua estimativa para a colheita de grãos na safra 2017/2018, mantendo a previsão de que, em comparação à última safra, a produção será menor, enquanto a área plantada será maior.

No início de novembro, os técnicos da companhia responsável por monitorar a trajetória da produção agrícola brasileira já tinham anunciado a expectativa de que a produção de grãos ficasse entre 223,3 milhões e 227,5 milhões de toneladas. Agora, os técnicos cravam em uma safra prevista de 226,5 milhões de toneladas, ou seja, 4,7% inferior aos 237,7 milhões de toneladas de grãos colhidos na safra 2016/2017. Aquela havia sido a maior marca já alcançada no país e já na época, os técnicos da Conab afirmavam que dificilmente se repetiria, já que fora alcançada graças a uma confluência de fatores, como excelentes condições climáticas.

Já a área total plantada pode chegar a 61,5 milhões de hectares, um aumento de 0,9% em comparação à última safra. A alta é puxada pelo incremento da produção de feijão preto, de algodão e, principalmente, de soja, cuja maior liquidez e rentabilidade motivou os agricultores a plantar cerca de 1 milhão de hectares a mais que na safra de 2016/2017. Por outro lado, a área destinada ao plantio do milho primeira safra deve diminuir 9,6%.

Segundo o presidente da companhia, Francisco Marcelo Bezerra, a produção deverá ser afetada principalmente pela diminuição da produção de arroz, feijão, milho e soja, embora os dois últimos continuem os preferidos dos produtores, respondendo por cerca de 89% dos grãos colhidos no país. Além disso, Bezerra lembrou que as condições meteorológicas adversas causaram perdas significativas às culturas de inverno.

A soja deve alcançar 109,2 milhões de toneladas contra 114,1 milhões do último período. Já a expectativa para o milho total é de 92,2 milhões, contra 97,8 milhões de toneladas distribuídos entre primeira e segunda safras no período 2016/2017. A primeira safra pode alcançar números menores no ciclo atual e ficar em 25 milhões de toneladas, enquanto que a segunda safra pode alcançar 67,2 milhões, quase igualando o registro da produção passada, de 67,4 milhões de toneladas.

Ao anunciar os resultados do terceiro levantamento, Bezerra destacou a perspectiva de que a colheita do algodão em pluma alcance 1,7 milhão de toneladas, o que representaria um aumento de 10,2% na produção e de 11% na área plantada.

Redução “perfeitamente explicável”

Presente ao anúncio do terceiro levantamento da safra, o secretário-substituto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Sávio Pereira, destacou que a previsão de redução da produção é “perfeitamente explicável”.

“Temos ainda uma safra imensa para o ano que vem e se o clima continuar perfeito podemos, eventualmente, atingir um novo recorde de produção”, avaliou Pereira. Sobre o crescimento da área plantada, ele afirmou que “são oito anos de crescimento contínuo. Nas últimas nove safras, o país registrou um aumento médio anual de 1,8 milhões de hectares”.

O secretário também comemorou os resultados das exportações agrícolas. “Até novembro, já tínhamos exportado 80 milhões de toneladas do complexo de soja [soja, farelo e óleo da oleaginosa], o que representa um crescimento de 30% no escoamento da soja, resultando em uma receita de cerca de R$ 30 bilhões.”

Edição: Lidia Neves

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!