Juros longos fecham em alta com aposta de que reforma não sai neste ano – Jornal do Comércio

Os juros futuros de médio e longo prazos fecharam em alta, enquanto os vencimentos curtos encerraram a sessão regular desta terça-feira, perto dos ajustes anteriores, com viés de baixa. A falta de definição em torno da reforma da Previdência, com percepção cada vez maior de que a proposta não será votada este ano, continuou como fator principal a guiar os negócios.

A ata do Comitê de Política Monetária (Copom) confirmou a expectativa de que a Selic deve ser reduzida em 0,25 ponto porcentual em fevereiro, mas alertou sobre o risco que a frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes na economia pode representar para o atual cenário benigno da inflação. O exterior deu sua contribuição, por meio do avanço do dólar ante moedas de economias emergentes e aumento do rendimento dos Treasuries.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 fechou em 6,98%, de 6,99% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2020 encerrou em 8,29%, de 8,31% no ajuste anterior. A taxa do DI para janeiro de 2021 subiu de 9,25% para 9,32% e a do DI para janeiro de 2023, de 10,14% para 10,25%.

As declarações de representantes do governo nos últimos dias têm vindo cada vez mais no sentido de que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera as regras da Previdência pode ficar para o ano que vem, o que desagrada ao mercado, que não acredita que será possível aprová-la num ano eleitoral. Nesta terça-feira, tanto o presidente Michel Temer, quanto o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o relator da PEC, deputado Arthur Maia (PPS-BA), mencionaram a possibilidade de a votação ficar para fevereiro, tentando minimizar um impacto negativo.

No fim da manhã, as taxas foram as máximas após a fala do relator, segundo o qual “não tem a obrigatoriedade de votar semana que vem”. “Se vai ser o ano que vem, na semana que vem, não importa, a data é pouco significativa.”

“O mercado está muito ao sabor do cenário político e a ata deixou mercado ainda mais sensível, ao alertar sobre o quanto a reforma é importante para futuro do ciclo de flexibilização”, disse o gestor de renda fixa da Lerosa Investimentos, Carlos Fernando Vieira.

Pouco antes do fechamento deste texto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou o encerramento dos trabalhos legislativos deste ano para a próxima quarta-feira, 20. A data praticamente inviabiliza a conclusão de eventual votação da reforma no plenário, prevista para começar um dia antes, na terça-feira, 19.

Nos demais ativos, às 16h34, o dólar à vista subia 0,82%, cotado em R$ 3,3268, e nas ações o Ibovespa avançava 0,08%, aos 72.857,66 pontos. Nos Treasuries, a T-note de dez anos projetava yield de 2,40%, de 2,39% na segunda-feira.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!