Sinaval critica proposta da ANP sobre conteúdo nacional – Jornal do Comércio

O Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval) desaprovou a proposta da Agência Nacional do Petróleo (ANP) para a possibilidade de waiver (isenção) do conteúdo nacional que será exigido dos contratos firmados nos leilões de 2005 (7ª Rodada) a 2015 (13ª Rodada).

De acordo com o vice-presidente do Sinaval, Sérgio Bacci, a agência não especificou o percentual do conteúdo nacional para construção dos cascos das plataformas, incluindo o produto dentro de umas das subdivisões dos compromissos com a construção de unidades.

“Isso não atende a indústria naval, os cascos ficaram dentro da especificação de construção, integração e montagem, com 40%. Só os módulos já levam os 40% exigidos”, explicou.

A ANP elaborou a proposta após realizar audiência pública em julho e diversas reuniões, tanto com petroleiras como com a indústria nacional, segundo o diretor-geral da autarquia, Décio Oddone. A nova proposta tem praticamente os mesmos termos do compromisso de conteúdo local da 14ª rodada, realizada em setembro deste ano, e que agradou à indústria, com a diferença do aumento de 25% para 40% do que era exigido anteriormente para a construção de plataformas. A construção dos cascos, no entanto, foi incorporada no terceiro item da nova divisão: engenharia (40%), máquinas e equipamentos (40%), e construção, integração e montagem (40%), o que desagradou os estaleiros.

Estaleiros como Jurong, Enseada e Atlântico Sul perderiam grandes encomendas, disse Bacci. Segundo ele, o casco é a parte da plataforma que dá maior retorno financeiro em um estaleiro. “O volume de investimentos que já foram feitos nos estaleiros não compensa sem casco”, afirmou. O fato de os cascos não terem um compromisso específico pode levar as petroleiras a encomendar cascos na China, onde o custo é menor.

O assunto ainda passará pelo Programa de Estímulo à Competitividade da Cadeia Produtivas, ao Desenvolvimento e ao Aprimoramento de Fornecedores ao Setor de Petróleo e Gás Natural (Pedefor) e o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!