Ata do Copom cita a importância das reformas – Jornal do Comércio

Na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada ontem, os membros do colegiado voltaram a fazer uma defesa das reformas econômicas encaminhadas pelo atual governo. Segundo eles, “a aprovação e implementação das reformas, notadamente as de natureza fiscal, e de ajustes na economia brasileira são fundamentais para a sustentabilidade do ambiente com inflação baixa e estável, para o funcionamento pleno da política monetária e para a redução da taxa de juros estrutural da economia, com amplos benefícios para a sociedade”.

Ao mesmo tempo, o Copom retomou a ideia, presente em outros documentos divulgados nos últimos meses, a respeito da importância de “outras iniciativas que visam aumento de produtividade, ganhos de eficiência, maior flexibilidade da economia e melhoria do ambiente de negócios”. “Esses esforços são fundamentais para a retomada da atividade econômica e da trajetória de desenvolvimento da economia brasileira”, pontuaram os membros do colegiado.

Na ata, os integrantes do colegiado também reiteram aspectos relacionados à comunicação do Banco Central, como a “preferência por explicitar condicionalidades sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia suas decisões”.

De acordo com o BC, “isso contribui para aumentar a transparência e melhorar a comunicação do Copom”. Assim, os membros “voltaram a ressaltar que o processo de flexibilização continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação”.

Outro trecho da ata informa que, ao debaterem os próximos passos com relação a alterações na taxa Selic, os membros do colegiado chegaram a um consenso em manter a liberdade de ação do comitê, mas sinalizando que o atual estágio do ciclo recomenda cautela na condução da política monetária.

Na semana passada, a instituição cortou a Selic (a taxa básica de juros) em 0,50 ponto percentual, de 7,50% para 7,00% ao ano.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!