Ilan: reforma tributária nos EUA pode afetar cenário do país – Exame

Para o presidente do BC, diante deste risco se faz necessário que sejam implementadas as reformas no Brasil, em especial a da Previdência

access_time 12 dez 2017, 22h30 – Publicado em 12 dez 2017, 22h24

São Paulo – O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta terça-feira, 12, entender que a reforma tributária empreendida pelo presidente norte-americano, Donald Trump, poderá afetar o cenário benigno que acompanha o Brasil. Cenário benigno, de acordo com Ilan, é a queda da inflação para uma taxa inferior ao centro da meta, de 4,5%, crescimento do PIB e redução da taxa básica de juros.

Para o presidente do BC, diante deste risco se faz necessário que sejam implementadas as reformas no Brasil, em especial a da Previdência.

Ilan participada cerimônia de comemoração dos 60 anos de existência da Itaú Asset Management, em São Paulo.

O presidente do BC iniciou seu discurso lembrando que a inflação caiu de 10,67% em 2015 para uma taxa de 2,8% em novembro, no acumulado de 12 meses, bem abaixo do centro da meta inflacionária, de 4,5% para este ano. Ainda na esteira do discurso sobre a queda da inflação, Ilan disse que “é surpreendente que a inflação tenha ficado tão alta durante a crise de 2015.

Segundo ele, é comum as pessoas perguntarem o porquê de a inflação ter demorado tanto para cair e, quando começou a cair, ter caído tão depressa. Para ele, caiu depressa, em parte por conta da redução dos preços dos alimentos, e “por conta da boa perspectiva futura”, disse. De acordo com ele, antes os agentes subiam seus preços como forma de defesa contra a inflação.

“Quando o BC busca cumprir a meta de inflação, os mecanismos de defesa elevação de preços deixam de ser usados”, disse o presidente do BC. Como já havia falado à tarde no Almoço Anual da Febraban, Ilan disse que a queda da inflação foi consequência do recuo dos preços dos alimentos, que impactou em 2 pontos porcentuais o IPCA. A inflação de 12 meses ex-alimentos, segundo Ilan, está em 4,5%.

“Daqui para frente temos boas perspectivas de a inflação ficar em torno da meta. A inflação para os próximos anos está ancorada”, disse o presidente do BC. Sobre o juro, Ilan disse que se encontra abaixo da taxa estrutural e reiterou que a taxa de juro neutro depende das reformas, em especial da Previdência. O banqueiro central disse ainda que a composição crescimento, juros e inflação baixos faz de 2017 um ano proveitoso.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!