Industriais iniciam corpo a corpo pela reforma – Jornal do Comércio

O presidente Michel Temer se reuniu, ontem, com ministros e líderes empresariais, para defender a reforma da Previdência e agradecer o apoio à proposta dado pelos diversos setores da economia cujos representantes vieram ao Palácio do Planalto.

Segundo Temer, o governo tem feito uma “pregação” sobre a reforma para “restabelecer a verdade” sobre a proposta. Com poucos dias para angariar votos a favor da proposta, o empresariado decidiu ir além de e-mails, telefonemas e mensagens de celular para, literalmente, bater à porta dos parlamentares. Representantes da indústria de construção estão visitando a casa dos deputados para pedir voto.

“Os senhores sabem que estamos colocando o Brasil no século XXI. As reformas feitas estão tendo os melhores resultados”, acrescentou o presidente, citando a criação do teto de gastos, a reforma do Ensino Médio, a reforma trabalhista e o fim da obrigatoriedade da Petrobras de participar de todos os empreendimentos na área do pré-sal.

Para Temer, o governo tem tomado medidas não apenas voltadas para a responsabilidade fiscal, como também para a responsabilidade social. “Precisamos fechar esse ciclo reformista, ou melhor, dar continuidade a ele. Após aprovarmos a reforma da Previdência, vamos levar adiante a simplificação tributária”, repetiu.

Além de empresários ligados à Confederação Nacional da Indústria (CNI), o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, garantiu que o setor vai trabalhar a favor da aprovação da reforma. “Podem contar com o nosso apoio. Trago a palavra de apoio da indústria automobilística. Quanto antes a reforma vier, melhor para todos”, disse.

Megale citou que a indústria automobilística deve encerrar o ano com produção de 2,7 milhões de veículos, um crescimento próximo de 9%, maior que a expectativa inicial do setor, que era de 7%. Segundo ele, os associados da Anfavea chegaram a produzir 4 milhões de veículos por ano. Na época, o Brasil era o quarto maior mercado no mundo. “No ano passado, caímos pela metade, a 2 milhões.”

O presidente da Anfavea disse que o Brasil deve fechar o ano com recorde nas exportações, atingindo a marca de 750 mil veículos. Ele afirmou, ainda, que o setor recentemente retirou milhares de trabalhadores do regime de lay-off e os recolocou no regime integral.

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, subiu o tom e afirmou a parlamentares que quem não quer a reforma da Previdência está dizendo, nas entrelinhas, que deseja um aumento de imposto. Segundo ele, é necessário enfrentar a realidade de que não é possível arcar com essa conta e que não é possível acreditar que o “Papai Noel vai prover recursos” para quitar as despesas previdenciárias.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!