Petrobras coloca R$ 5,024 bilhões no caixa com IPO da BR Distribuidora – Jornal do Comércio

A Petrobras colocará R$ 5,024 bilhões em seu caixa com a abertura de capital da BR Distribuidora, na esteira de seu processo de desalavancagem. Com a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), que atraiu forte demanda de investidores locais e estrangeiros, a petroleira se desfez de 30% da companhia. O primeiro pregão da BR será na próxima sexta-feira, dia 15, quando a ação será listada no Novo Mercado, segmento de mais elevadas exigências de governança corporativa da B3.

O preço da ação da BR foi precificada em R$ 15, no piso da faixa indicativa de preço, que foi estabelecida entre R$ 15 e R$ 19. A demanda dos investidores superou a oferta em cerca de três vezes, apurou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, mas as ordens predominaram com o preço mais baixo. Foram vendidas 334.937.500 ações, o que indica que além do lote principal foi alocado o lote adicional, devido à demanda. O valor da oferta ainda poderá crescer caso seja exercido o lote suplementar. Foram os coordenadores da oferta o Citi, Bank of America Merrill Lynch, BB Investimentos, Bradesco BBI, Itaú BBA, JP Morgan, Morgan Stanley e Santander.

A oferta da BR marca a maior operação na Bolsa brasileira desde 2013, quando a oferta da BB Seguridade movimentou cerca de R$ 11 bilhões. Neste ano o maior IPO era, até aqui, do Carrefour Brasil, com um giro de R$ 4,9 bilhões.

Com essa oferta, o volume neste ano de emissão de ações já se aproxima dos R$ 40 bilhões. Nesta quinta-feira, 14, serão precificadas ainda as ações de Burger King Brasil, que está com elevada demanda, e a Neoenergia, mas que deve suspender sua oferta, visto que até o momento não conseguiu atrair os investidores.

Os banqueiros passaram o dia em Nova York para concluir a operação, finalizando as conversas com os investidores estrangeiros, que, como é comum nas grandes operações, acabam levando uma fatia relevante das ofertas iniciais de ações no Brasil.

A BR chegou perto de fazer seu IPO em 2015, mas o agravamento da crise política e econômica fez com que a empresa voltasse atrás. Depois disso, a tentativa foi de uma venda direta. O ativo chamou muito a atenção de investidores financeiros e estratégicos nacionais e estrangeiros, mas houve uma pressão para que a Petrobras vendesse o controle da BR, o que não era seu desejo. Além disso, o processo chegou a ser atrasado por conta de bloqueio pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Com essa venda, a Petrobras começa a dar ritmo para atingir sua meta de desinvestimento de US$ 21 bilhões para o biênio de 2017 e 2018. Para o final do ano que vem, a meta é sair do índice de alavancagem de 5,3 vezes anotados em 2015, quando a petroleira estava no epicentro da crise, para 2,5 vezes, conforme a métrica da razão da dívida líquida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!