Além das reformas – Jornal do Comércio – Jornal do Comércio

O ano deve terminar com inflação bem inferior à meta de 4,5%, certamente abaixo de 3%. E isso não é motivo para comemoração. É apenas uma prova de que o choque de juros foi além do necessário, um sinal evidente de erro na implementação de política.

A autoridade monetária terá de explicar formalmente ao ministro da Fazenda, ao presidente da República e ao País por que cometeu esse erro, que custou mais recessão, mais desemprego e mais desalento para as famílias brasileiras.

A sociedade espera que o conservadorismo e a teimosia não adiem também desnecessariamente a volta do crescimento da produção e do emprego. O D do Bndes significa desenvolvimento. É preciso que esse banco estatal, assim como os outros bancos do Estado e outras entidades públicas e privadas provedoras de crédito, passe a financiar com garra os investimentos e o consumo, com juros civilizados e sem preconceitos ideológicos.

A reforma da Previdência é importante, assim como a tributária e a trabalhista. Mas é uma ilusão achar que, feitas essas reformas, tudo estará resolvido. Para retomar o crescimento continuado, a economia precisa de atitudes ofensivas, muito além das reformas defensivas.

Dado importante, também divulgado pelo IBGE, mostra o investimento começando a voltar: cresceu 1,6% de julho a setembro, pela primeira vez em 15 trimestres. Outros números indicam que a indústria de bens de capital, melhor termômetro para os investimentos, cresceu 1,1% em outubro em relação a setembro e 14,9% na comparação com outubro do ano passado. São sinais de que o setor privado, animado pelo aumento do consumo das famílias, já se prepara para aumentar a produção.

Na medida em que a economia brasileira começa a se recuperar lentamente de seu primeiro grande trauma do século XXI, cada vez mais nos convencemos de uma realidade incontestável: o país perdeu alguns pontos a mais do PIB do que seria necessário para retomar o caminho do crescimento. E também alguns milhões de empregos. Tudo isso por puro conservadorismo.

Agora, como mostrou reportagem desta Folha, a estatística oficial indica que a recessão, iniciada no segundo trimestre de 2014 e estendida até o último trimestre de 2016, fez a economia encolher 8,2%. Esse vexame econômico é um pouco menor do que o de 1989-1992 e o de 1981-1983, quando o PIB encolheu, respectivamente, 8,6% e 8,5%. Mas é maior do que o decorrente da Grande Depressão norte-americana, em 1930-1931, biênio em que a produção baixou cerca de 5,5%.

Esses números, na verdade, são curiosidades estatísticas. O da década de 1930, por exemplo, é uma estimativa, porque, naquela época, não havia dados nacionais suficientes para um cálculo exato da produção interna.

Eles devem ter ficado frustrados quando o IBGE anunciou os números do PIB (Produto Interno Bruto) do terceiro trimestre, dias atrás, com a revisão dos dados de 2016. Foi uma alteração ligeira. Em vez de 3,6%, a economia caiu 3,5%. No início do mês passado, outra revisão já havia atenuado um pouco a retração de 2015, de 3,8% para 3,5%.

Essas revisões são normais e, em geral, promovem alterações mínimas. Nos casos de 2015 e 2016, porém, as atualizações foram suficientes para mudar o ranking das recessões.

Por mais que tenham se esforçado, os defensores da política de juros na lua não conseguiram quebrar o recorde do campeonato das recessões brasileiras.

Diretor-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional e presidente do conselho de administração da empresa

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!