Associação projeta aumento de 11,7% nas importações em 2018 |

Containers no Porto do Rio de Janeiro

Há previsão de crescimento das importações acima das exportações, o que deve levar a um déficit de 23,1% na balança comercial em 2018 Tânia Rêgo/Agência Brasil

Na primeira previsão para a balança comercial de 2018, divulgada hoje (14) no Rio de Janeiro, a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) estimou que as exportações alcançarão US$ 218,966 bilhões, alta de 1,1% em comparação aos US$ 216,462 bilhões esperados este ano. As importações ficarão em US$ 168,625 bilhões, mostrando aumento de 11,7% sobre os US$ 150,995 bilhões projetados para 2017. O saldo, contudo, será negativo em 23,1%, com total de US$ 50,341 bilhões no próximo ano, valor inferior aos US$ 65,467 bilhões previstos para 2017.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da AEB, José Augusto de Castro, analisou que 2017 foi um ponto fora da curva. “Porque ano que vem, nós temos a expectativa de que, com a retomada do crescimento econômico interno, vai haver maior demanda por produtos importados. E as exportações crescerão somente 1,1%”. Castro lembrou que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) já anunciou que haverá uma quebra na safra de soja e de milho, itens que têm um peso grande na pauta de vendas para outros países.

Na exportação de produtos básicos em 2018, a previsão é de queda de 1,5%, “independente do que vier a acontecer por aí em termos de preço”. Não há previsão, pelo menos por enquanto, de que ocorrerá explosão de preços. “O que nós temos certeza é de quebra de safra”. Castro também afirmou que há previsão de um crescimento marginalizado na exportação de alguns itens.

Já os produtos manufaturados projetam expansão de 4,3%, em função da Argentina, cujo Produto Interno Bruto (soma de bens e serviços fabricados no país) tem alta prevista de 4% em 2018, o que vai demandar mais produtos importados e favorece o Brasil.

Mesmo com a queda da safra, soja continuará na liderança dos produtos exportados pelo Brasil no próximo ano, seguido de minério de ferro e petróleo, indicou a AEB.

Impacto das oscilações

José Augusto de Castro disse que o quadro político e econômico interno vai afetar a balança comercial. “Nós vamos ter muitos altos e baixos durante o ano e o câmbio vai oscilar bastante”. Como o exportador não gosta de oscilações, isso deve prejudicar o comércio exterior, porque as empresas tenderão a adotar uma taxa de câmbio de segurança, que é menor do que a efetivamente praticada, para não ter surpresas no futuro, informou.

Castro afirmou ainda que a contribuição do PIB para o comércio exterior em 2018 será negativa, ao contrário de 2017, que será positiva, devido à retomada da atividade econômica interna, que demanda mais importações e pode até desestimular em parte as exportações. Castro avaliou que diante da retomada da economia, muitas empresas que estavam exportando pequenas quantidades podem priorizar atender o mercado interno e deixar o externo. Por outro lado, quem estava com a importação paralisada vai aumentar as compras externas para atender à demanda do mercado doméstico.

Para isso contribuem o aumento do consumo das famílias, a queda do desemprego e a redução do índice de inadimplência. “Todos esses aspectos favorecem o aumento das importações”, assinalou o presidente da AEB.

Na última revisão da balança comercial de 2017, feita em 18 de julho passado, a AEB estimou exportações da ordem de US$ 209,017 bilhões, importações de US$ 145,795 bilhões e superávit de US$ 63,222 bilhões.

Edição: Lidia Neves

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!