BFed e reforma tributária garantem nova máxima histórica ao Dow Jones – Jornal do Comércio

Os mercados acionários americanos encerraram o dia em direções distintas nesta quarta-feira (13), com os investidores reagindo à decisão de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e às perspectivas de aprovação da reforma tributária nos Estados Unidos.

O índice Dow Jones avançou 0,33%, aos 24.585,43 pontos; o Nasdaq teve alta de 0,20%, aos 6.875,80 pontos; mas o S&P 500 destoou dos demais e fechou em baixa de 0,05%, aos 2.662,85 pontos, na mínima do dia. O Dow Jones novamente renovou recorde de fechamento.

A decisão de política monetária do Fed veio como o esperado pelos investidores: o banco central elevou as taxas de juros em 0,25 ponto porcentual, para a faixa entre 1,25% e 1,50%, e indicou três novas altas para o próximo ano. No entanto, as preocupações com a persistente inflação baixa mostraram força durante a reunião, enquanto as projeções do Fed mostraram caminhos distintos para desemprego e inflação. Enquanto o banco central apontou para uma taxa de desemprego ainda menor neste ano (3,9%), as projeções das oscilações nos preços se mantiveram inalteradas em 2017, 2018 e 2019.

Para o economista-chefe da Pantheon Macroeconomics, a previsão inalterada de inflação ao mesmo tempo em que o Fed vê a taxa de desemprego em 3,9% neste ano mostra um “descompasso” e uma aposta de que a inflação pode demorar mais para reagir ao mercado de trabalho apertado.

Nesse cenário de descolamento entre inflação e desemprego e com o discurso de que as taxas de juros continuarão subindo de forma gradual, os investidores foram às compras, mas penalizaram ações de bancos, que caíram com a perspectiva fraca de aperto monetário. O Goldman Sachs fechou na mínima do dia, em baixa de 0,82%, enquanto o J.P.Morgan perdeu 1,25% e o Wells Fargo cedeu 1,54%. Os bancos também sofreram com a fala da presidente do Fed, Janet Yellen, de que não vê muita diferença entre a visão dela e a do futuro líder do banco central, Jerome Powell, sobre a regulação do sistema financeiro americano.

Outros setores, no entanto, apresentaram ganhos, apoiados, também, na reforma tributária nos EUA. Segundo a imprensa americana, senadores e deputados do Partido Republicano chegaram a um acordo sobre o plano de cortes nos impostos. Sobre a reforma fiscal planejada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, Yellen comentou que ela pode impulsionar o consumo e os investimentos das empresas, além de provocar algum crescimento na economia americana.

As gigantes de tecnologia avançaram à medida que a versão final da conta tributária final não apresentará um item negativo para as techs antes planejado no plano de impostos do Senado. A Apple subiu 0,33%, o Facebook ganhou 0,76%, a Netflix avançou 1,15% e o Google teve valorização de 0,25%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!