Bolsa fecha em queda de 1,22% e dólar futuro sobe com fala de Jucá – Jornal do Comércio

O mercado acionário brasileiro teve dois momentos distintos ontem, confirmando o cenário de volatilidade dos últimos dias. Pela manhã, o Índice Bovespa subiu até 1,09%, embalado pela definição do segundo julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e pela decisão do PSDB de fechar questão em favor da reforma da Previdência. À tarde, um conjunto de fatores tirou o fôlego do índice, que chegou a cair 1,69% após notícia de um acordo para adiamento da votação da reforma da Previdência para fevereiro. Ao final do pregão, o índice teve queda de 1,22%, aos 72.914 pontos.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), informou sobre um entendimento para adiar a votação da reforma para fevereiro. Segundo ele, a decisão estava “conversada” entre os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reagiu às afirmações de Jucá, não reconheceu o acordo anunciado e disse que existe a possibilidade de adiamento da votação, mas que o objetivo do governo é votar a proposta na próxima semana.

Apesar da aceleração da queda do Ibovespa após as declarações de Jucá, a notícia do acordo para adiamento da votação na Câmara em nada surpreendeu o mercado, cujas análises já indicavam serem remotas as chances de o governo conseguir avançar na reforma neste ano. As afirmações de Meirelles chegaram no final do pregão e tiveram pouca interferência nos negócios, favorecendo apenas o afastamento do Ibovespa das mínimas do dia.

Os contratos futuros de petróleo chegaram a operar em alta pela manhã, mas inverteram a tendência à tarde, influenciados pelo relatório misto do Departamento de Energia (DoE), que mostrou queda dos estoques de petróleo bruto e alta dos de gasolina, bem acima das expectativas. As ações da Petrobras oscilaram ao sabor do petróleo ao longo do dia e acabaram por acelerar o ritmo de queda na última hora, em sintonia com o restante do mercado. Ao final do pregão, os papéis da Petrobras tiveram perdas de 1,54% (ON) e 2,00% (PN).

Outras ações de controle estatal, sensíveis ao risco político, também tiveram perdas superiores à média do mercado. Banco do Brasil ON recuou 2,40% e Eletrobras PNB, 2,68%.

No mercado de câmbio, o dólar futuro para janeiro acelerou os ganhos depois que o senador Romero Jucá anunciou o acordo para adiar a votação da reforma da Previdência para fevereiro. O dólar negociado para janeiro, que vinha oscilando entre o campo positivo e o negativo, reagiu imediatamente e firmou alta com sucessivas máximas, atingindo R$ 3,3375 (0,75%). Já o dólar no mercado à vista fechou em queda de 0,10%, a R$ 3,3228.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!