Economia argentina crescerá 2,9% em 2017 e 3,0% em 2018 – Exame

Com esses números, a economia argentina se recuperou da contração de 2,2% sofrida em 2016, detalhou a Cepal

Por EFE

access_time 14 dez 2017, 16h23

Santiago – A economia argentina prevê um crescimento de 2,9% em 2017, que pode subir para 3% em 2018, impulsionada pelo consumo privado, o gasto público e o investimento, afirmou nesta quinta-feira a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Com esses números, a economia argentina se recuperou da contração de 2,2% sofrida em 2016, detalhou a Cepal em seu Balanço Preliminar da Economia Regional, que o órgão das Nações Unidas apresentou nesta quinta-feira na capital chilena.

O documento detalhou que a inflação na Argentina caiu de 40,5% em 2016 para 26% nos primeiros dez meses de 2017, e que o emprego aumentou 1,4% até agosto.

Segundo a Cepal, a recuperação da economia argentina durante 2017 se deveu tanto a fatores internos como externos, entre os quais destacou a leve alta da economia brasileira, que incidiu de maneira positiva nas exportações ao Brasil, entre outros.

O endividamento externo teve um aumento em 2017 a respeito do ano anterior, que financiou o déficit fiscal e de conta corrente, e que explicou o aumento das reservas internacionais.

O déficit fiscal se manteve em 4,7% do PIB nos dez primeiros meses do ano. O PIB por habitante fechará 2017 com uma alta de 2%, enquanto a inflação deve terminar o ano com uma taxa de 22,9% e o desemprego em 9%, frente aos 8,5% do ano anterior.

O balanço de pagamentos fechará com um déficit de US$ 26,853 bilhões na conta corrente e um superávit de US$ 39.965 milhões na conta capital e financeira.

Para 2018, a Cepal espera que a economia argentina mantenha a dinâmica expansiva, com um crescimento em torno de 3%, mas que não se modifiquem substancialmente as condições financeiras internacionais.

Neste contexto, a intensidade do crescimento dependerá do sustento da recuperação dos parceiros comerciais e da evolução das receitas efetivas das famílias, do crédito ao setor privado e do viés da política fiscal.

Em um cenário de números positivos previstos para o Brasil no próximo ano, está prevista uma leve subida dos salários reais e da estabilidade do gasto público na Argentina.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!