IBGE: Indústria perde espaço na economia em 2015, e serviços avançam – Valor

RIO  –  (Atualizada às 10h58) A indústria perdeu participação, em ritmo acentuado, no valor adicionado bruto (VAB) do país na passagem de 2014 para 2015. Por outro lado, o setor de serviços conquistou espaço no período. É o que mostra a pesquisa Produto Interno Bruto (PIB) dos Municípios 2015, divulgada nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O valor adicionado bruto é a contribuição ao produto interno bruto pelas diversas atividades econômicas, obtida pela diferença entre o valor bruto da produção e o consumo intermediário absorvido por essas atividades. É calculado em parceria com órgãos estaduais e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa).

De acordo com o levantamento, o valor adicionado bruto da indústria apresentou queda nominal de 1,9% em 2015, frente a 2014. Desta forma, a participação recuou de 23,8% em 2014 para 22,5% em 2015. Essa perda é contínua desde 2010, período em que recuou 4,9 pontos percentuais de participação.

Construção e indústrias extrativas tiveram a maior queda de participação no PIB nacional. Por outro lado, as indústrias de transformação e de eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação ampliaram espaço. A indústria de transformação cresceu puxada pelo refino, cujo valor adicionado foi beneficiado pela queda do preço no barril de petróleo (insumo da atividade).

O município de São Paulo manteve-se como o principal polo industrial do país, com participação de 5,5%. A segunda posição foi ocupada pelo município do Rio de Janeiro, com 3,3%, seguido por Manaus (1,9%).

Segundo o IBGE, a indústria era a atividade presente em menos municípios. Em 2015, 83 municípios respondiam por metade do valor adicionado bruto da indústria e a 33,2% da população. No mesmo ano, 2.771 municípios responderam por apenas 1% do valor adicionado bruto do setor.

Serviços

Em contrapartida à perda de participação da indústria, a fatia do valor adicionado bruto do setor de serviços seguiu em ascensão ao passar de 71,2% para 72,5%. Os maiores incrementos na participação foram verificados nas atividades administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social; e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados.

O peso da agropecuária, por sua vez, manteve-se estável de 2014 e 2015, em 5% do valor adicionado bruto do país.

Administração pública

Dos 5.570 municípios brasileiros, 2.511 (45,1% do total) tinham mais de um terço do valor adicionado bruto dependente da atividade da administração pública em 2015, de acordo com o IBGE. A maioria destes estava localizada nas regiões Norte e Nordeste.

Os municípios que apresentaram as maiores participações das atividades de administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social no valor adicionado bruto total do município eram Uiramutã (RR), 82%; Rio da Conceição (TO) e Vitória do Jari (AP), ambos com 76,8%; Salgadinho (PB) e Santo Antônio dos Milagres (PI), ambos com 76,4%.

Na média nacional, a administração pública respondia por 17,2% do valor adicionado bruto. Das 27 capitais brasileiras, 15 tinham percentual superior à média nacional. Um destaque óbvio é Brasília (DF), onde 44,7% do valor adicionado bruto vem da administração pública. Logo atrás está Boa Vista (RR), com 43%, segundo a pesquisa do IBGE.

No outro extremo, destacam-se como menor participação a capital de São Paulo, com apenas 7,7%.

Fonte Oficial: Valor.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!