União começará a trabalhar em acordo com Rio Grande do Sul, diz Meirelles |

Brasília - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fala à imprensa após encontro com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (Wilson Dias/Agência Brasil)

 O ministro Henrique MeirellesWilson Dias/ABr

Depois de fechar acordo com o estado do Rio de Janeiro, a União começará a trabalhar no auxílio financeiro ao Rio Grande do Sul, disse hoje (14) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Segundo o ministro, a equipe econômica começará a se reunir com representantes do governo gaúcho para definir um plano de ajuste.

“Agora que a situação do Rio de Janeiro está equacionada e caminhando com sucesso, vamos dedicar o trabalho em período integral ao Rio Grande do Sul. O estado também tem um trabalho a fazer de formulação ou de reformulação do plano de ajuste visando ser aprovado, homologado e implementado”, declarou Meirelles após se reunir com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

De acordo com Meirelles, o empréstimo do BNP Paribas que ajudará o estado do Rio de Janeiro a quitar os salários em atraso do funcionalismo, será assinado nesta sexta-feira (15) ou no início da próxima semana. Segundo o ministro, os últimos detalhes técnicos, como as assinaturas dos bancos, estão sendo resolvidos hoje.

“Depois de muito tempo e trabalho para a aprovação da Lei de Recuperação Fiscal dos estados, a confecção do plano de recuperação do Rio de Janeiro e o empréstimo baseado no penhor das ações da Cedae [Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Jaeniro], está finalmente equacionado. Existem alguns detalhes, como a assinatura de bancos, mas está tudo resolvido e vamos assinar tão logo esteja completado o processo”, declarou.

Pelo acordo de auxílio financeiro, o Rio de Janeiro teve de aprovar medidas de corte de gastos, aumento de tributos e reversão de benefícios fiscais para suspender, por três anos, o pagamento das parcelas das dívidas do estado com a União e receber o empréstimo para sanear as finanças e pagar o funcionalismo. Para receber o dinheiro, no entanto, o estado teve de privatizar a Cedae e dar os recursos da venda como garantia para a operação.

Edição: Nádia Franco

Fonte Oficial: EBC.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!