Dólar sobe com adiamento da votação da reforma da Previdência – Jornal do Comércio

A novela para definir a data da votação da reforma da Previdência chegou ao fim com o anúncio de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, de que a pauta será votada no dia 19 de fevereiro. O adiamento, no entanto, não trouxe alívio para os investidores, que veem com certa incredulidade a aprovação da PEC no ano que vem. Isso se refletiu no movimento do dólar, que operou próximo das máximas durante quase duas horas após o anúncio de Maia, arrefecendo os ganhos somente a partir das 16 horas. “O governo já gastou mais de R$ 43 bilhões para aprovar a reforma, no entanto, ela foi adiada para o ano que vem. Quanto mais será gasto para que, de fato, a matéria saia do papel?”, pergunta Alessandro Faganello, operador da Advanced Corretora. O questionamento é semelhante ao do vice-presidente e analista sênior da agência de classificação de risco Moody’s, Samar Maziad, para quem o adiamento é fator de crédito negativo e indica falta de apoio político para a proposta.

O dólar à vista fechou em alta de 0,40%, a R$ 3,3362. Na máxima, atingiu R$ 3,3471 (+0,73%) e, na mínima, R$ 3,3109 (-0,36%). O giro foi de US$ 1,483 bilhão.

Por trás da corrida por ativos de proteção – leia-se dólares – está o medo de que a reforma não seja aprovada e que a Previdência acabe deteriorando ainda mais as contas públicas. “A consequência imediata seria o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, o que levaria a uma fuga de capitais”, afirma Ricardo Gomes, diretor da Correparti. Para Pablo Spyer, diretor da Mirae, a primeira agência que poderia cortar a nota soberana é Standard & Poor’s (S&P), já que a Moody’s e a Fitch têm critérios diferentes para avaliar o risco país.

São indefinições como essa que levaram investidores a acionarem o botão de “stop-loss” e empresas a anteciparem novas compras de dólares. “Não está claro qual será o novo patamar da moeda, afinal, teremos 60 dias até a votação, o que dá bastante espaço para o mercado especular”, acrescenta Gomes. “Acredito que a divisa vai oscilar em torno de R$ 3,35, mas não descarto a possibilidade de atingir os R$ 3,40”, afirma.

É bom lembrar que, antes do dia 19 de fevereiro, outra data deve chamar atenção dos investidores: 24 de janeiro. É quando o recurso do ex-presidente Lula vai ser julgado pelo Tribunal Regional Federal, na Operação Lava Jato. Caso a sentença do juiz Sérgio Moro seja confirmada, Lula se tornará inelegível e não poderá participar do pleito eleitoral do ano que vem.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!