Ibovespa cai 0,67% com adiamento de reforma da Previdência – Jornal do Comércio

A bolsa brasileira teve nesta quinta-feira (14), seu segundo dia seguido de queda, apoiada no ceticismo do mercado em relação à reforma da Previdência. Pesaram no humor dos investidores o receio de incapacidade do governo de aprovar a reforma em um ano eleitoral e o risco de que o País sofra um downgrade nos próximos meses. A falta de coesão entre líderes da base do governo foi outro fator de mal-estar nos negócios, segundo relataram profissionais de renda variável. Em contrapartida, o mercado conservou a expectativa de que uma eventual condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no julgamento de janeiro possa mudar o quadro eleitoral em 2018, beneficiando um candidato com discurso reformista.

O Índice Bovespa chegou a cair 1,30% pela manhã, enfrentou instabilidade à tarde e terminou o pregão em baixa de 0,67%, aos 72.428,93 pontos. Os negócios com ações na B3 totalizaram R$ 12,7 bilhões, volume superior à média dos últimos dias.

A bolsa já iniciou o dia em terreno negativo, repercutindo a informação dada na véspera pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), sobre o adiamento da votação da Previdência para fevereiro. A informação foi confirmada nesta quinta à tarde pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Pouco depois, a agência de rating Moody’s afirmou em nota que a postergação é “fator de crédito negativo” para o País, por indicar falta de apoio político para a proposta em um ano de eleição presidencial.

O Ibovespa, que operava em leve queda no início da tarde, acelerou pontualmente o ritmo após as manifestações de Maia e da Moody’s. “O adiamento da reforma para fevereiro tira de cena temporariamente aquele que vinha sendo o principal ‘driver’ do mercado. De certa forma a possibilidade de um downgrade acaba assumindo parte desse papel do mercado no curto prazo”, disse Luiz Roberto Monteiro, operador da Renascença Corretora. Outro importante “driver” apontado no mercado será o julgamento de Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (marcado para 24 de janeiro) e seus desdobramentos.

Na análise por ações, foram destaque as do setor bancário, com Itaú Unibanco PN (-1,58%) e Bradesco ON (-0,98%) à frente. Os papéis da Petrobras chegaram a acompanhar a alta dos preços do petróleo no período da tarde, mas perderam fôlego e terminaram o dia com baixas de 0,82% (ON) e 1,12% (PN). A nova alta do dólar, por outro lado, favoreceu papéis de empresas exportadoras como Fibria ON (+2,09%), JBS ON (+1,04%) e Braskem PNA (+0,85%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!