Juros longos fecham em alta após confirmação de adiamento de votação da reforma – Jornal do Comércio

Os juros futuros fecharam a sessão regular desta quinta-feira (14) em alta nos contratos de médio e longo prazo, enquanto os vencimentos curto encerraram perto dos ajustes de quarta-feira. A frustração com o andamento da reforma da Previdência continuou respondendo, ao longo de todo o dia, pela pressão de alta na maioria dos contratos.

A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 encerrou estável em 6,94% (mínima) e a do DI para janeiro de 2020 passou de 8,28% para 8,34%. A taxa do DI para janeiro de 2021 subiu de 9,26% para 9,34% e a do DI para janeiro de 2023, de 10,19% para 10,25%.

A equipe econômica se esforçava para votar a reforma na Câmara na semana que vem, mas o mercado já vinha nos últimos dias trabalhando com o cenário de que o texto não seria votado este ano.

Nesta quinta, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confirmou que a proposta será votada na Câmara em 19 de fevereiro, mas permanece entre os agentes o ceticismo sobre a capacidade do governo de aprovar a matéria no ano que vem. “É cada vez mais difícil que algo seja aprovado em 2018, ano eleitoral”, diz a Guide Investimentos em relatório.

Outra preocupação é quanto à postura das agências de classificação de risco. A Moody’s afirmou que o adiamento para fevereiro é fator de crédito negativo e indica falta de apoio político para a proposta, comentou o vice-presidente e analista sênior Samar Maziad. “O adiamento fortalece as preocupações sobre a capacidade do governo para cumprir o teto de gastos e ‘endereçar’ efetivamente as tendências fiscais adversas que têm gerado uma persistente deterioração do perfil de crédito do País nos últimos anos”, disse.

Pouco antes do fechamento deste texto, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tentou minimizar o impacto negativo da decisão. “O custo do adiamento da votação existe, mas ainda há expectativa de aprovação”, disse. “Entrando em votação, a reforma tem de ser aprovada”, complementou. Segundo ele, o governo fará conferência com as agências de rating na próxima semana.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!