Qual é a chance que alguém tem de subir na pirâmide no Brasil? – Exame

A chances de alguém nascido no grupo A continuar lá são 13,7 vezes maiores do que a de alguém da classe D, E ou F conseguir escalar para o topo

access_time 15 dez 2017, 13h10 – Publicado em 15 dez 2017, 12h57

São Paulo – O Brasil é um país desigual não apenas na renda, mas na possibilidade que as pessoas têm de melhorar de vida.

É este o retrato que aparece nos dados de mobilidade da Síntese dos Indicadores Sociais, relatório divulgado pelo IBGE nesta sexta-feira (15).

Metade dos filhos conseguem melhorar de lugar na pirâmide em relação aos seus pais, enquanto cerca de 17% caem de posição. Um terço da população (33%) fica na mesma categoria dos pais.

Quanto menor a coincidência entre a posição dos pais e dos filhos, mais móvel é o país, indicando que as oportunidades de ter sucesso na sociedade estão melhor distribuídas.

A boa notícia é que a situação vem melhorando. Entre as décadas de 1970 e 1990, houve grande mobilidade estrutural ao mesmo tempo que a desigualdade social se acentuava.

Isso estava relacionado com a urbanização, já que uma boa parte da população passava de um estrato baixo na pirâmide, e essencialmente rural, para outro logo acima, mas agora urbano.

Agora, aumentou a chance de mobilidade entre estratos mais distantes, ainda que ela seja baixa em comparação com outros países.

“Em um contexto internacional, o Brasil é considerado um país com elevada desigualdade de oportunidades em termos de chances relativas de mobilidade social”, diz o texto.

Mas a maior parte dos movimentos continua sendo de pequena distância. Só um em cada 5 daqueles que conseguem subir da base da pirâmide chegam até o topo.

Ao mesmo tempo, mais da metade dos filhos do grupo A vão continuar por lá. Isso significa que as chances de alguém nascido no grupo A continuar lá são 13,7 vezes maiores do que a de alguém nascer no grupo D, E ou F e conseguir escalar para o grupo A.

Grupos

Os 6 grupos usados pelo IBGE não são a mesma coisa que classes sociais. Eles são uma divisão do mercado de pessoas ocupadas, sendo a ocupação e a renda média do trabalho em 2014.

 

No estrato A, por exemplo, então cargos de gerência, dirigentes de empresa, advogados e professores de nível superior, com rendimento médio variando entre R$ 3.737 (professores e advogados) e R$ 4.681 (gerentes e dirigentes).

O B reúne técnicos de nível médio (rendimento de R$ 2.457), o C tem trabalhadores administrativos (R$ 1.564), o D tem trabalhadores de bens e serviços, reparação e manutenção (R$ 1.460), o E reúne trabalhadores dos serviços e vendedores e prestadores de serviços do comércio (R$ 982 e R$ 1.263) e o F tem trabalhadores agrícolas (R$ 628).

Raça e gênero

Além disso, as possibilidades dependem de outros fatores. A mobilidade geral dos brancos, para cima ou para baixo, é maior do que a de pardos e pretos (68,8% contra 65,1%).

A situação é mais acentuada na mobilidade de longa distância. O percentual das pessoas pretas ou pardas que conseguem subir muitos degraus na pirâmide, por exemplo, é metade daquele das pessoas brancas.

“Diversos estudos que analisaram as chances relativas de mobilidade entre brancos e não brancos confirmam a existência de barreiras raciais à mobilidade intergeracional no Brasil”, diz o texto.

A mobilidade geral das mulheres é maior do que a dos homens (54% contra 47%) e isso também aparece na chance de subir muitos degraus na pirâmide (15,2% contra 10,2%).

A maior diferença entre os grupos ocorre entre homens pretos ou pardos e mulheres brancas. A a proporção dos homens pretos ou pardos com mobilidade ascendente de longa distância é apenas um terço do percentual calculado para as mulheres brancas.

Mas vale notar que “os percentuais médios de cada grupo não permitem controlar o efeito de outras características, como o nível educacional mais elevado das mulheres além da maior retenção de homens em ocupações rurais, que pode ser um fator explicativo desse resultado.”

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!