Rumo quer ampliar a concessão por 30 anos – Jornal do Comércio

A Rumo, concessionária da malha ferroviária gaúcha, condiciona investimento que pode ultrapassar R$ 1 bilhão em melhorias à antecipação da renovação do contrato de concessão que expira em 2027. O vice-presidente da companhia – que substituiu a América Latina Logística (ALL) na operação em 2015 -, Darlan Fábio de David, explicou, em Porto Alegre, que a renovação é decisiva para garantir o retorno do investimento pretendido.

A empresa entrará, em 2018, com pedido na Agência Nacional de Transporte Terrestres (ANTT) para renovar o prazo para mais 30 anos, além de 2027, levando o término a 2057, informou David, que se reuniu, nesta quinta-feira, com representantes da Federação da Agricultura do Estado (Farsul) e governo estadual para tratar de demandas e repassar planos.   

O recurso para restabelecer a capacidade e melhorar as condições das linhas existentes ampliando volume de carga é avaliado em mais de R$ 1 bilhão. A fonte do capital seria a dona da Rumo, a Cosan, e captação no mercado de títulos, alguns lançados no exterior, detalhou o executivo. Recursos não seriam problema, diz o executivo. “A gente trabalha para que a renovação do contrato seja feita antecipadamente para ter retorno do investimento”, explicou David. O contrato vence em 2027. “Estamos vislumbrando a renovação para fazer investimentos maciços no Estado”, mas as necessidades de aplicação seriam muito maiores, segundo o executivo.

Para substituir trilhos, reformar dormentes e comprar locomotivas e vagões para o ramal Cruz Alta e Rio Grande, que é o principal corredor de transporte de grãos, a cifra seria superior a R$ 1,5 bilhão, o que estaria em uma visão de longo prazo. “Cada locomotiva custa R$ 12 milhões, e um vagão eficiente, R$ 450 mil. Em uma composição, tem-se duas locomotivas e 80 vagões”, exemplifica David. Os ativos da companhia no Estado somam 65 locomotivas e 1,2 mil a 1,3 mil vagões em operação. “Ao olharmos o futuro, podemos chegar a um parque de locomotivas de quase 200 máquinas e quase 5 mil vagões”, dimensionou David.   

O dado, que foi apresentado em reunião com a Farsul e o Estado, seria de que a ferrovia responde por 3% do transporte de produtos na malha total. Nos grãos, o transporte pela ferrovia chegou a 3 milhões de toneladas neste ano, alta de 34% frente a 2016, que foi de 2,4 milhões de toneladas. Para 2018, a meta é de 3,5 milhões de toneladas. A ideia é alcançar entre 12 milhões e 15 milhões de toneladas de grãos sobre trilhos, elevando a participação a 40% do volume no agronegócio, disse o vice-presidente. A nova concessionária investiu, em dois anos e meio, cerca de R$ 150 milhões na malha gaúcha, sendo R$ 50 milhões em 2015 e pouco mais de R$ 100 milhões neste ano. Para 2018, a aplicação deve ficar entre R$ 100 milhões e R$ 120 milhões.

O foco da operação é retomar clientes e elevar o transporte, disse David, admitindo sucateamento da malha. Ele associou as deficiências à herança do contrato da ALL, antiga operadora, que ficou 10 anos sem investir, apontou o executivo. Em dois anos e meio que assumiu a rede na região Sul, serão finalizados aportes de mais de R$ 2 bilhões, com foco maior no Paraná, que faz escoamento até o porto de Paranaguá. No Rio Grande do Sul, a prioridade de melhoria foi a ligação ferroviária de Cruz Alta e Rio Grande.   

Na reunião, houve acerto de algumas tratativas que já vinham sendo feitas. O Estado foi dividido em três polos, que terão um líder de segmento produtivo para apresentar as necessidades. Algumas das ações já devem ser implementadas em 2018 e 2019, adiantou o executivo. Além de grãos para o porto do Rio Grande, também será visto o escoamento de arroz para São Paulo.

 

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!