Dólar fecha no campo negativo em dia de realização de lucros – Jornal do Comércio

O dólar, que operou no terreno negativo durante boa parte da sessão desta sexta-feira (15) acelerou as perdas depois do discurso pró-reforma do presidente Michel Temer nesta tarde. Durante a posse de Carlos Marun na Secretaria de Governo, o presidente disse que o adiamento da votação da pauta da Previdência para 19 de fevereiro foi “ótimo”, pois os deputados vão perceber em suas bases que não há “oposição feroz” ao tema. A declaração agradou aos investidores, e o dólar à vista chegou a recuar 0,94% para a mínima do dia. No encerramento, a divisa fechou com queda de 0,87%, a R$ 3,3071, arrefecendo a alta acumulada na semana de 0,34%.

Mesmo depois do fechamento do mercado à vista, a moeda negociada para janeiro continuou sua trajetória de queda. O motivo: grande entrada de fluxo de capitais, segundo diretor de uma corretora que preferiu não se identificar. Com isso, o dólar futuro bateu sucessivas mínimas e fechou no menor patamar do dia, a R$ 3,2985, com queda de 1,43%. Essa injeção de recursos fez com que o volume negociado no dia superasse US$ 15 bilhões – até então o giro estava bem abaixo do negociado em sessões anteriores.

Mas não foi apenas o Temer que acalmou os ânimos do mercado. Mais cedo, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, declarou que vai pedir às agências de classificação de risco para reavaliarem a nota de crédito do Brasil somente depois da votação da Previdência, e isso tranquilizou os investidores. “A declaração foi muito importante, pois tanto a Moody’s quanto a Fitch divulgaram comunicado com tom pessimista logo depois do anúncio do adiamento da votação”, afirma Bruno Foresti, operador da Ourinvest. “O Meirelles tem bastante credibilidade, acreditamos que o pedido deve ser levado em consideração”, acrescenta.

A combinação de um cenário mais claro sobre reforma da Previdência com ganhos acumulados ao longo da semana fez com que os investidores acionassem o comando de venda da moeda americana. “O que houve foi uma realização de lucros” afirma Alexandre Wolwacz, diretor da L&S. “A tendência ainda é de alta da divisa”, acrescenta.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!