Bolsas da Europa fecham em alta, com reforma tributária dos EUA e política local – Jornal do Comércio

As principais bolsas da Europa encerraram o pregão desta segunda-feira (18) em firmes altas, em meio ao apetite global por risco disparado pela perspectiva de aprovação da reforma tributária nos Estados Unidos. O índice pan-europeu Stoxx 600 terminou com ganho de 1,20%, aos 392,83 pontos.

Na noite de sexta-feira, já com os mercados fechados, os líderes republicanos no Congresso dos Estados Unidos apresentaram o texto final da lei que pretende diminuir sensivelmente os tributos no país.

A taxa paga pelas empresas vai passar de 35% para 21%, serão mantidas, mas reduzidas, as sete alíquotas de imposto de renda para pessoas físicas. Além disso, é prevista também uma revogação parcial do Obamacare.

Apesar da resistência da oposição democrata no Congresso dos EUA, é esperado que o tema seja votado e aprovado até o meio da semana. Adiantando-se a esse processo, os investidores apostaram em ativos de maior risco durante toda a segunda-feira.

Na Europa, a política também tem ajudado a acalmar os ânimos dos mercados. Na sexta-feira, o Reino Unido e a União Europeia deram um passo à frente para negociar o Brexit. Na Alemanha, a primeira-ministra Angela Merkel declarou que está “focada” em construir uma “grande coalizão” com a centro-esquerda.

Desta forma, o caminho foi pavimentado para as altas generalizadas desta segunda-feira. O índice DAX, da Bolsa de Frankfurt, foi o maior destaque nos mercados europeus, com avanço para 13.312,30 pontos (+1,59%). Os bancos estiveram entre os principais ganhadores da sessão – Deutsche Bank subiu 3,39% e Commerzbank teve valorização de 2,07%.

Em Londres, os papéis das mineradoras subiram diante da perspectiva da subida de preços das commodities metálicas em 2018. Anglo American teve saltou 5,00% e BHP Billiton avançou 1,02%. O índice FTSE-100 terminou em 7.537,01 pontos (+0,62%).

A alta de mais cedo do petróleo impulsionou os ganhos das empresas do setor nos mercados europeus de ações. A francesa Total teve alta de 1,82%, a italiana ENI avançou 0,86% e a espanhola Repsol subiu 1,61%.

Assim, a Bolsa de Paris terminou em 5.420,58 pontos (+1,33%), a de Milão avançou para 22.390,53 pontos (+1,34%) e a de Madri encerrou com 10.244,10 pontos (+0,92%).

O índice PSI-20, de Lisboa, subiu para 5.428,89 pontos (+0,80%), na primeira sessão após a agência de classificação de risco Fitch classificar a nota de Portugal novamente como “grau de investimento”. Os papéis da Sonae Capital tiveram alta de 0,92% e da holding Pharol ganharam 1,49%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!