Eletrobras inclui dois novos pilares em plano de negócios 2018-2022 – Jornal do Comércio

A Eletrobras, em fato relevante publicado na madrugada desta segunda-feira (18) informou que seu Plano Diretor de Negócios e Gestão para o quinquênio 2018-2022 possui, agora, cinco pilares estratégicos. Destes, três já constavam do Plano 2017-2021: Governança e Conformidade, Disciplina Financeira e Excelência Operacional. Os dois novos são: Valorização de Pessoas e Atuação Sustentável.

Segundo a estatal, “em face do Programa de Aposentadoria Extraordinária (PAE), com o consequente desligamento de empregados em 2017 e do início da implantação do Centro de Serviços Compartilhado e do Sistema de Gestão Integrado (ERP) único, a Companhia entende como relevante a priorização de projetos relacionados à gestão de pessoas, o que resultou na inclusão do quarto pilar”.

Em relação à Atuação Sustentável, a empresa diz que “em consonância com as diretrizes estratégicas de atuação estabelecidas no Plano Estratégico (PE) 2015-2030 e do alinhamento pretendido com a Agenda 2030 lançada pela Organização das Nações Unidas (ONU), adotada pelo governo brasileiro, a Companhia criou o quinto pilar, que deverá abrigar os projetos relacionados ao tema sustentabilidade”.

Cada pilar está associado a um conjunto de iniciativas que, de acordo com a Eletrobras, permitirão o alcance destas metas. O primeiro pilar, Governança e Conformidade, inclui quatro iniciativas: Consolidação Programa Eletrobras 5 Dimensões; Melhoria Contínua do Ambiente de Controles Internos; Implementar ações para Listagem em Índices e obtenção de selos de Governança Corporativa; e Preparação para Democratização de Capital da Eletrobras holding.

Esta última iniciativa se dá devido à intenção, já anunciada pelo governo, de vender uma fatia da Eletrobras, pulverizando seu capital. No documento, a Eletrobras explica que o Ministério de Minas e Energia propôs ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI), a desestatização da empresa. “De acordo com a recomendação do MME, a democratização do capital da Eletrobras deverá ocorrer, principalmente, por meio de aumento de capital por subscrição pública de ações ordinárias, sem que o governo federal (direta ou indiretamente por meio de empresa por ele controlada) subscreva novas ações nesse processo, diluindo sua participação acionária”.

A Eletrobras lembra que a efetivação da operação depende de autorizações governamentais, legislativas e regulatórias, assim como avaliação e confirmação do modelo a ser adotado e “observância aos procedimentos específicos, previstos na legislação aplicável, incluindo as regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Securities and Exchange Commission (SEC), Nyse, B3 e Latibex (Bolsa de Madri)”.

Como benefícios desse iniciativa, a companhia enumera: aumento da receita das empresas Eletrobras, em decorrência da possível mudança do atual regime de comercialização de energia elétrica de cotas, instituído pela Lei 12.783/2013 quando da prorrogação de concessões de geração de energia elétrica; possibilidade de novos investimentos devido ao aumento da receita e capital do novo sócio; e aumento no volume de investimento para recuperação do Rio São Francisco.

O segundo pilar, a Disciplina Financeira, possui nove iniciativas e inclui a privatização das distribuidoras; a venda de imóveis administrativos; a venda de participações em SPEs, a reestruturação societária (Eletrosul + CGTEE) e desverticalização da Amazonas Distribuidora de Energia; entre outros.

O terceiro pilar, a Excelência Operacional, tem oito iniciativas associadas, com destaque para reestruturação organizacional; redução de custos de pessoal; estratégia regulatória para Geração e Transmissão; plano de retomada das obras da Usina Nuclear de Angra 3, entre outros.

A nova estratégia “Ação Sustentável” possui quatro iniciativas associadas: compromisso com a Agenda 2030, definida pela ONU; prospectar oportunidades via green bond, captação feita para viabilizar projetos de energia renovável; metodologia para medir resultado de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação; e implementação do Relato Integrado, para atender aos requisitos de boas práticas de Governança Corporativa recomendadas pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) que incluem os seguintes requisitos fundamentais: transparência, prestação de contas, equidade e compliance.

O pilar “Valorização das Pessoas” inclui três iniciativas: dimensionamento qualitativo e quantitativo de pessoal; aperfeiçoamento do Sistema de Gestão de Desempenho; e Banco de Talentos e Oportunidades.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!