Leilão de energia movimenta R$ 5,6 bilhões e gera economia para consumidores – Jornal do Comércio

O 25º leilão de Energia Nova (A-4) realizado hoje (18) pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) movimentou R$ 5,6 bilhões em contratos, envolvendo 39,113 mil gigawatts-hora (MWh) de energia comercializada ao preço médio R$ 144,51 por MWh, um deságio médio de 54,65% em relação ao teto dos preços estabelecidos, o que representou uma economia para os consumidores finais de R$ 6,8 bilhões.

Segundo informações da CCEE, do leilão resultou na contratação de 25 empreendimentos de geração de energia, sendo uma Pequena Central Hidrelétrica – PCH (5 MW médios); uma Central de Geração Hidrelétrica – CGH (0,8 MW médio); uma térmica movida a biomassa (8,6 MW médios); duas usinas eólicas (35,6 MW médios); e outras 20 usinas solares fotovoltaicas (170,2 MW médios).

Os empreendimentos contratados estão localizados nos estados do Piauí, envolvendo um total de oito usinas; Pernambuco (5 usinas); Bahia (4 usinas); São Paulo (3 usinas); Rio Grande do Norte (2 usinas); e Mato Grosso, Espírito Santo e Goiás, todos com uma usina cada.

Participaram do leilão, na condição de compradoras da energia negociada, sete concessionárias de distribuição: CEA, CEAL, Cepisa, Coelba, Copel D, EDP ES, Elektro. Os contratos são de 30 anos para as usinas hidrelétricas na modalidade por quantidade e 20 anos para as usinas a biomassa, eólicas e solares.

Segundo informações divulgadas em nota pela CCEE, ao todo, os projetos contratados totalizam 228,7 MW médios de garantia física e as usinas deverão iniciar o fornecimento de energia elétrica a partir de 1º de janeiro de 2021.

O preço médio final do leilão para as usinas hidráulicas foi de R$ 181,63 por MWh. No caso da usina térmica movida a biomassa, o preço médio foi de R$ 234,92/MWh, para as plantas eólicas foi de R$ 108/MWh e para as usinas solares o preço médio fechou em R$ 145,68/MWh.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!