Prefeitura de Porto Alegre lança ação contra comércio ilegal – Jornal do Comércio

A prefeitura de Porto Alegre lança hoje ação que promete combater o comércio ilegal de mercadorias que se disseminou principalmente na área central da capital gaúcha. O Movimento Legalidade, divulgado em nota no site da prefeitura, terá como foco o contrabando, a pirataria e a falsificação.

Nesta segunda-feira, o município vai fazer a destruição de itens apreendidos na área próxima ao Paço Municipal. O movimento terá como parceiros a Frente Nacional de Prefeitos (FNP), o Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO) e o Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP).

Em entrevista ao Jornal do Comércio em novembro, o secretário interino de Desenvolvimento Econômico, Leandro de Lemos, disse que a estratégia para combater o comércio seria inteligência e foco no contrabando. “Não estamos falando de comércio ilegal, mas de crime organizado”, afirmou Lemos.

O secretário adiantou que em dezembro haveria os primeiros resultados e que a atuação com Polícia Civil, Guarda Municipal, Brigada Militar e Receita Federal buscaria apreensão e identificação de depósitos clandestinos no Centro. “Por trás das mercadorias, tem droga, contrabando de armas e outros crimes.” O município também promete apresentar dados inéditos sobre contrabando e as principais ações do Movimento Legalidade. Com a ação, a prefeitura diz que poderá “gerar mais empregos, renda e segurança”.

Para o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, o Movimento Legalidade é uma ação esperada pelos comerciantes. “Esperamos que haja, de fato, efetividade já que o comércio ilegal gera não só prejuízo ao comércio, mas também à arrecadação de impostos”, afirma. Kruse destaca a importância da colaboração da população. “É preciso fiscalizar, denunciar e não comprar no comércio ilegal, atividade que resulta em cerca de 20% de prejuízo ao comerciantes legais”, disse.

“Temos a esperança de que o Centro Histórico volte a ser um local agradável, deixando de passar uma imagem de desordem, poluição visual e insegurança causados pelas vendas ilegais”, afirma o presidente da CDL Poa, Alcides Debus.

O dirigente recorda que, no período da Copa do Mundo, em 2014, houve um trabalho bem intensificado no sentido de tornar a região do Centro transitável, inclusive com a criação do PopCenter. “Infelizmente, o problema voltou à tona e estamos indignados com o retorno dos camelôs que são em torno de 5 a 6 mil ambulantes que comercializam de forma desigual. Portanto, essa ação cria uma expectativa de que os lojistas que pagam impostos e aluguel voltem a recuperar perdas e contribua para retomar o quadro de pessoal”, destaca Debus.

Após o ato previsto para as 10h no Paço, será inaugurada a exposição Cidade do Contrabando, na Pinacoteca Aldo Locatelli, com uma maquete feita com produtos apreendidos.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!