Taxas futuras de juros recuam com dólar e ambiente externo positivo – Jornal do Comércio

Os juros futuros operam em leve baixa desde a abertura da sessão, guiados pelo dólar fraco e precificando o ambiente externo positivo na manhã desta segunda-feira (18). No mercado internacional, pesam expectativas de aprovação da reforma tributária dos Estados Unidos nesta semana, além de um esperado gradualismo do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) na política monetária nos próximos anos.

Nesta segunda, o presidente do Fed de San Francisco, John Williams, que tem direito a voto nas decisões de política monetária em 2018, previu três elevações de juros em 2018 e duas em 2019 e outras duas em 2020.

Na renda fixa, investidores olharam mais cedo para o IBC-BR, que veio dentro do esperado. Após subir 0,27% em setembro (dado já revisado), o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) avançou 0,29% em outubro ante setembro, na série com ajuste sazonal, segundo o Banco Central.

O índice de atividade calculado pelo BC passou de 136,04 pontos para 136,44 pontos na série dessazonalizada de setembro para outubro. Este é o maior patamar para o IBC-Br com ajuste desde dezembro de 2015 (136,98 pontos).

Na pesquisa Focus, a mediana para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2017 caiu de 2,88% para 2,83%. Há um mês, estava em 3,09%. Já a projeção para o índice de 2018 passou de 4,02% para 4,00%, ante 4,03% de quatro semanas atrás.

A Selic média de 2018 passou de 6,78% para 6,75% ao ano, ante 6,84% quatro semanas atrás. Para o Produto Interno Bruto (PIB), a expectativa de alta este ano passou de 0,91% para 0,96%, ante +0,73% há um mês. Para 2018, o mercado aumentou a previsão de alta do PIB de 2,62% para 2,64%.

Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,51%. Na última quinta-feira, a Fazenda anunciou a revisão da sua grade de parâmetros macroeconômicos e projetou para 2017 avanço de 0,5% para 1,1%. Para 2018, a previsão passou de 2,0% para 3,0%.

Às 10 horas, o DI para janeiro de 2020 estava em abre a 8,26%, de 8,27% do ajuste de sexta-feira. O DI para janeiro de 2021 caía a 9,28%, de 9,29% no ajuste de sexta-feira. No câmbio, o dólar à vista recuava 0,46%, aos R$ 3,2920. O dólar para janeiro de 2018 estava em R$ 3,2950, baixa de 0,11%.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!