Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda, em dia de realização de lucro – Jornal do Comércio

As principais bolsas da Europa encerraram o pregão desta terça-feira predominantemente em baixa, em um movimento de acomodação após as fortes altas da sessão de segunda-feira. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 0,45%, para 390,91 pontos.

A sessão europeia teve sinal majoritariamente negativo desde a manhã, em meio a uma sessão com poucos fatores locais de influência. Isso porque o final de semana de Natal se aproxima e com ele a liquidez global e as agendas de indicadores e eventos começam a rarear.

Depois do forte aumento da segunda-feira, o principal guia da sessão foi a realização de lucros. “Nos parece que há mais uma pausa para respiro, uma vez que é quase certeza que haja a reforma tributária nos Estados Unidos”, comentou, em nota, o analista do banco inglês IG Chris Beauchamp.

A expectativa é de que a reforma tributária americana seja votada na Câmara e no Senado ao longo desta terça-feira.

Após a forte alta da véspera, a Bolsa de Frankfurt também foi a que mais caiu entre os principais mercados europeus. O índice DAX teve baixa de 0,72%, para 13.215,79 pontos. Com o fortalecimento do euro, as empresas exportadoras foram as mais prejudicadas – a farmacêutica Bayer perdeu 1,11% e ao conglomerado industrial Siemens recuou 0,42%.

Em Madri, os papéis da empresa de energia Abengoa foram os destaques de perda, com baixa de 8,33%. O índice IBEX-35 terminou em 10.234,30 pontos (-0,10%). No mesmo setor, em Paris, a Schneider Electric cedeu 1,13%, levando o CAC-40 a terminar em queda ais 5.382,91 pontos (-0,69%).

Na praça italiana, as dúvidas em relação as eleições gerais no país no começo da ano que vem pressionaram os papéis de bancos, os mais prejudicados com um eventual afastamento da União Europeia. O FinecoBank recuou 0,35% e o Intesa Sanpaolo cedeu 0,92%. O índice FTSE-Mib terminou em queda de 0,52%, aos 22.274,97 pontos.

Na contramão das perdas, a Bolsa de Londres fechou em alta aos 7.544,09 pontos (+0,09%). A possibilidade de um Brexit mais suave e um eventual acordo comercial do Reino Unido com a União Europeia ajudou a manter os bancos em alta – o Lloyds subiu 0,60% e o Investec avançou 0,98%.

Em Lisboa, a expectativa com a apresentação do plano de reestruturação da empresa de correspondência CTT fez as ações da companhia dispararem 2,34%, levando o índice PSI-20 a fechar em 5.431,01 pontos (+0,04%).

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!