Anatel e AGU vão recorrer contra plano de recuperação judicial da Oi – Jornal do Comércio

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, disse que o órgão regulador e a Advocacia-Geral da União (AGU) vão recorrer contra o plano de recuperação judicial da Oi. Segundo ele, as ações do governo na Justiça, que pediam a exclusão dos créditos públicos do plano de recuperação judicial da companhia, vão continuar a tramitar. Ainda não está claro se será preciso entrar com outras ações agora que o plano foi aprovado.

“O litígio é uma obrigação de todo e qualquer servidor público. Não vamos desistir das ações”, afirmou Quadros. Ele reconheceu, porém, que, até o momento, as decisões judiciais a respeito das ações que pediam a exclusão dos créditos públicos da assembleia geral de credores da Oi não foram favoráveis ao governo.

“Os créditos públicos que ficaram fora do plano da oi vão continuar a ser cobrados”, afirmou. Segundo ele, a proposta aprovada na assembleia deve ser homologada pela Justiça e, no que diz respeito aos créditos públicos, a homologação do acordo é preocupante. “A Anatel e a Procuradoria terão que continuar a litigar. Temos que recorrer e espero que tenhamos sucesso.”

De acordo com Quadros, se o governo perder as ações já na Justiça, a Oi fará com que os créditos constituídos sejam pagos em 240 meses, enquanto os créditos não constituídos só serão pagos daqui 20 anos, com descontos sobre juros e moras. Ao todo, esses créditos somam R$ 11,2 bilhões.

“Qual será o valor disso, calculado a valor presente? Ainda estamos fazendo esses cálculos na área técnica”, afirmou Quadros. “A distinção de tratamento para o pagamento de créditos constituídos e não constituídos é um agravante no plano da Oi.”

Quadros disse ainda que os acionistas minoritários da Oi, a Pharol e o Société Mondiale, do empresário Nelson Tanure, também devem entrar na Justiça contra o plano aprovado na assembleia. “Certamente vai haver litigância dos grupos que controlavam a empresa. Não será surpresa se recorrerem.”

As outras multas aplicadas pela Anatel e que não foram incluídas no plano de recuperação judicial continuarão a ser cobradas, disse Quadros.

Fonte Oficial: Jornal do Comércio.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!