Câmara aprova reforma tributária impulsionada por Macri – Exame

A iniciativa obteve na Câmara Baixa 146 votos a favor, 77 em contra e 18 abstenções, após um debate que se estendeu por horas

Por EFE

access_time 20 dez 2017, 13h03

Buenos Aires – A Câmara de Deputados da Argentina aprovou nesta quarta-feira e enviou ao Senado um projeto de reforma tributária impulsionado pelo Governo de Mauricio Macri que procura diminuir a pressão tributária de maneira gradual em um prazo de cinco anos.

A iniciativa, que foi estipulada previamente entre o Executivo e a maioria dos governadores estaduais do país, obteve na Câmara Baixa 146 votos a favor, 77 em contra e 18 abstenções, após um debate que se estendeu por horas.

Desta forma, após receber apoio dos Deputados, o projeto legislativo começará a ser debatido hoje na Comissão de Orçamento e Fazenda do Senado, para ir preparando seu tratamento no plenário, onde se for aprovado se tornará definitivamente lei.

A reforma tributária faz parte das iniciativas econômicas impulsionadas pelo Governo e estipuladas com os governadores: entre elas o consenso fiscal e a polêmica reforma do sistema de previdências, que ontem foi definitivamente aprovada entre grande oposição política, social e sindical.

Com as mudanças no âmbito tributário, o Governo quer fomentar os investimentos e o crescimento, em troca de uma menor pressão fiscal.

Segundo tinha explicado o deputado oficialista Luciano Laspina, presidente da Comissão de Orçamento e Fazenda, ao início da sessão, a reforma é um “alívio fiscal”, que procura “aliviar a carga às pequenas e médias empresas e à classe média”.

O projeto pretende, segundo continuou, eliminar a “elevada carga” do anterior sistema impositivo em três aspectos principalmente: os impostos ao trabalho, tributos “distorsivos” como o que cascalho os créditos e interesses bancários, e sobre o reinvestimento dos benefícios das empresas.

O deputado do governante Frente Mudemos qualificou a normativa como “a mais ambiciosa e profunda nas últimas décadas”, que combina o aumento de alguns impostos e rebaixamento de outros, embora em seu conjunto pretenda uma menor arrecadação.

Por parte da oposição, o legislador e ex-ministro de Economia (2013-2015) Axel Kicillof sustentou que a medida “faz parte do pacote neoliberal” do Governo, junto a outras medidas como a reforma laboral e a da previdência.

A seu julgamento, a nova lei “perdoa impostos aos que mais ganham, às grandes corporações, e tenta levar essa carga tributária aos consumidores”.

A reforma é de caráter gradual e até 2022 é esperado um alívio na pressão tributária equivalente a 1,5% do Produto Interno Bruto, para alentar o investimento e a criação de emprego.

Fonte Oficial: Exame.

Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do World Câmbio.

Comentários

você pode gostar também

Quer fazer parte de nosso grupo?

Inscreva-se em nossa newsletter!